segunda-feira, 1 de junho de 2015

Avaliação: 5/5
Editora: Geração Editorial /Cortesia
ISBN: 9788581302812
Gênero: Infantojuvenil
Publicação: 2014
Páginas: 148
Skoob
Desde que vi a capa e li a sinopse do livro Flora Hen, me apaixonei profundamente. Ao receber o livro, fiquei boquiaberta com a fantástica diagramação da Geração Editorial, o título em letras douradas, a gramatura do papel, a fonte que inicia cada capítulo e a distribuição das belíssimas ilustrações da chilena que vive no Brasil, Yasmin Mundaca.
A escritora Hwang Sun-mi nasceu na Coreia do Sul e esse foi o seu primeiro livro traduzido para nosso idioma, entre os mais de 30 que já escreveu e publicou. Flora Hen já vendeu mais de 2 milhões de exemplares e foi comparado a obras clássicas como “O pequeno príncipe” e “Fernão Capelo Gaivota”, esse último fiquei com vontade de ler. Ao iniciar a leitura, o texto me cativou e a história me fez sentir tristeza, amor, alegria, desespero… tantos sentimentos afloraram no decorrer da leitura que, depois de ter lido a última página, fiquei refletindo sobre tudo o que Flora viveu.
Flora é uma galinha poedeira, significa que ela fica presa em uma gaiola, exclusivamente para comer e botar ovos que nunca poderão ser chocados, já que, sem o acasalamento, os ovos são estéreis. De sua gaiola no galinheiro, Flora consegue ver parte do quintal e sonha em ser igual a galinha que vê andando livremente por lá junto com outros animais.
No seu interior foi se instalando um forte desejo de chocar um ovo e ver o nascimento de seu filhote, por causa disso perde o apetite, a vontade de viver e para de botar ovos. Caso uma galinha poedeira não bote um ovo em 3 dias, significa que ela é uma má poedeira e acaba sendo descartada imediatamente para evitar prejuízos para o dono do galinheiro, como alimentação e outros cuidados. Do


“Galinhas mortas estavam empilhadas ao seu redor. Ela estava andando por cima delas. Estava presa no meio de uma grande cova aberta. Mas eu ainda estou viva, como pode ser? Flora deu um pulo e correu em círculos, cacarejando aterrorizada. Não tinha como escapar. Pisava nas carcaças a cada passo. Foi tomada pelo terror. Não conseguia acreditar no que via.”

Andarilho, um pato-real, percebe que Flora não está morta em meio a tantas galinhas na cova, começa a conversar com ela e com sua ajuda consegue salvá-la da doninha, pequeno mamífero carnívoro que sempre está à espreita, buscando uma nova fonte para sua alimentação.

E assim Flora inicia uma vida livre, porém cheia de tribulações, desprezo, lutas, sem amigos…. Sua primeira grande conquista é o dia em que encontra um ovo.

“No meio da folhagem, estava um ovo branco com um tom azulado. Um ovo que ainda não tinha sido chocado. Era grande e bonito, mas não havia sinal da mãe ou de que estivesse sendo incubado. Flora olhou ao redor para ver se a mãe estava por perto. Seu coração batia desenfreado. (…) Flora decidiu ficar só até que a mãe retornasse. Entrou na pequena clareira secreta e cuidadosamente se sentou sobre o ovo. Ainda estava quente; tinha sido botado havia pouco tempo. (…) Seu medo desapareceu imediatamente, e uma grande paz desceu sobre o arbusto. E felicidade também. Fechando os olhos, ela se deleitou naquele ser morno aconchegado sob seu peito. ”

 Esse livro não só recebe minha nota máxima, como está na minha lista de favoritos e um dos poucos que pretendo, com certeza, reler em minha vida. Recomendável para crianças a partir de 12 anos.

“Flora correu e o abraçou com as asas abertas. Era um bebê de verdade, todo pequeno e quentinho. Ela ouviu os patos em seu caminho para a represa. Lá fora, parecia que nada havia mudado desde o dia anterior, mas para ela aquela era uma manhã muito especial. Em todos os cantos do campo, as coisas aconteciam ininterruptamente. Alguém parte e alguém chega. Um morre e outro nasce. Às vezes, um adeus e uma olá ocorrem em simultâneo. Ela sabia que não poderia ficar triste por muito tempo.”

“Tinha aprendido uma lição valiosa. Só porque vocês são da mesma espécie não quer dizer que sejam uma grande família feliz. O importante é ter respeito e compreensão um com o outro. Isto é que é amor. Flora correu e correu, eufórica, cantando. ”

Resenha por Nara Dias

Sobre o autor
Viagens de Papel

O blog Viagens de Papel foi criado em 22 de janeiro de 2013 com o intuito de promover diálogo sobre literatura, paixão que todos os autores do projeto têm em comum. Através de resenhas, lançamentos, listas, dicas e variadas matérias, queremos que você sinta-se em casa e aprecie o conteúdo nosso conteúdo! =)



Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: