segunda-feira, 30 de março de 2015

Avaliação: 5/5
Editora: Companhia de Bolso
ISBN: 9788535914061
Ano: 2008
Páginas: 280
Skoob

Da série de livros que merecem ser lidos pelo menos alguma vez na vida está o incrível Capitães da Areia, escrito por Jorge Amado. Datado de 1937, o clássico nacional traz um retrato cruel, atemporal e certeiro sobre a juventude marginalizada das ruas da Bahia. Em suas 280 páginas, a obra aborda questões como o descaso do governo e da sociedade com a parcela mais pobre da população e jogos de interesse. Além desses temas mais pesados, a história é humanizada por conta das relações de amizade, lealdade e companheirismo construídas entre os capitães da areia.

 
Sob a lua, num velho trapiche abandonado, viviam os capitães da areia. Mais de cem meninos abandonados de 8 a 16 anos que, juntos, encontraram uma forma de continuar vivendo. Sob a liderança de Pedro Bala, eles praticavam furtos que garantiam a sua sobrevivência. Sua existência já era conhecida pela população baiana, que estava em estado de alerta e temia o grupo de “arruaceiros”. A elite da cidade, que temia os ditos capitães, reclamava na imprensa sobre o governo, que não tomava atitudes cabíveis para reverter a situação. Os órgãos governamentais, por sua vez, jogavam o problema de um lado para o outro, nunca aceitando a responsabilidade. Entre as inúmeras críticas, a única carta publicada (bem escondida no jornal) que defende os meninos é a da Sra. Maria, mãe de um deles, que questiona a abordagem dos reformatórios, que parece piorar ainda mais a situação. O único que apoia o relato é o Padre José Pedro, apesar de ir contra seus superiores.
 
O padre, que entendia o lado dos meninos, buscava sempre ajudá-los a conquistar uma vida melhor. Após fazer uma aproximação, passou a ensinar religião para alguns deles, como uma forma de incentivá-los a evitar a criminalidade. Ainda assim, sabia que eles só estavam ali por conta de serem sempre tratados como nada, sempre desvalorizados. Ninguém mais procurava ajudar. Sobravam julgamentos e faltava apoio. De todo o clérigo, ele era o único que buscava fazer algo pelos capitães. Os outros condenavam suas ações e achavam que ele estava louco. Essa é mais uma das críticas feitas por Jorge Amado. A religião, que tem como propósito o bem do próximo, também era movida pelo jogo de interesses. Inclusive, muitos dos que frequentavam a missa não se colocavam no lugar dos meninos. Apenas os viam como marginais, capazes de cometerem os piores atos, apesar de serem apenas crianças.


Apenas crianças. Ainda que planejassem roubos e cometessem outros atos de violência, os capitães eram extremamente marcados pela vida e em certos momentos desejavam apenas que alguém os acolhesse e que cuidasse deles. Assim, não precisariam mais lutar para sobreviver, poderiam ser pessoas melhores. A construção dos meninos feita pelo autor é excepcional. A narrativa humaniza cada um deles, falando um pouco sobre suas vidas, características e motivações. Além disso, desnuda um tanto do interior de cada um, destacando os sonhos que possuíam, apesar de saberem que seria muito difícil concretizá-los, e seus pensamentos inocentes, comuns da idade.

“Por vezes morria um de moléstia que ninguém sabia tratar. Quando calhava vir o padre José Pedro, ou a mãe-de-santo Don’Aninha ou também o Querido-de-Deus, o doente tinha algum remédio. Nunca, porém, era como um menino que tem sua casa. O Sem-Pernas ficava pensando. E achava que a alegria daquela liberdade era pouca para a desgraça daquela vida”.

Apesar de muitos meninos serem introduzidos na história, alguns se destacam mais e fazem o leitor sentir saudades ao terminar o livro. Pedro Bala, por exemplo, é o líder do grupo. O modo como ele protege os garotos e assume um instinto paternal é de se admirar. Ele está sempre ali cuidando de todos e tomando as decisões, que nem sempre são fáceis. Em determinado ponto da história, Pedro Bala é capturado e passa por diversas provações, mas ainda assim coloca o bem do grupo em primeiro lugar. A seu lado estavam os fiéis Sem-Pernas, Gato, Professor, entre tantos outros. O Professor era aquele que sempre lia histórias para o grupo, um dos únicos alfabetizados. Nesses momentos, todos deixavam um pouco da tensão de lado para embarcar em outras aventuras. Sem-Pernas possuía uma deficiência física que o fazia mancar. Isso fez com que ele sofresse muito em seu pouco tempo de vida, fato que o deixou fechado, rabugento. Gato era um dos mais malandros. Sempre bem vestido e arrumado, nunca passava a noite sozinho e saía-se bem em diversas situações. Em certo momento da história, entra em cena Dora, única menina aceita pelos capitães, que era vista pelos meninos como uma figura materna, alguém que sempre poderia estar ali por eles.

“Neste momento de música eles sentiram-se donos da cidade. E amaram-se uns aos outros, se sentiram irmãos porque eram todos eles sem carinho e sem conforto e agora tinham o carinho e conforto da música”

“O Sem-Pernas botou o motor para trabalhar. E eles esqueceram que não eram iguais às demais crianças, esqueceram que não tinham lar, nem pai, nem mãe, que viviam de furto como homens, que eram temidos na cidade como ladrões. Esqueceram as palavras da velha de lorgnon. Esqueceram tudo e foram iguais a todas as crianças, cavalgando os ginetes do carrossel, girando com as luzes. As estrelas brilhavam, brilhava a lua cheia. Mas, mais que tudo, brilhavam na noite da Bahia as luzes azuis, verdes, amarelas, roxas, vermelhas do Grande Carrossel Japonês” 

Narrado em terceira pessoa, o livro possui capítulos curtos e é dividido em 4 partes. A escrita é de fácil compreensão e muito fluída. Os elementos são tão bem construídos que, em determinadas partes da história, parecia que eu estava ali, acompanhando o desenrolar dos fatos de pertinho. A leitura, que se tornou uma das minhas favoritas, é essencial, pois mostra um lado desconhecido por muitos. Apesar de ter sido publicado pela primeira vez em 1937, Capitães da Areia traz assuntos muito atuais e explora o sofrimento e as causas que levam os meninos abandonados a buscarem a marginalidade. É um tapa na cara de quem apenas julga e enxerga apenas as consequências, sem se colocar no lugar do outro.
 
Ao longo da obra, acompanhamos as diversas transformações pelas quais passam os capitães. É difícil terminar a leitura sem refletir sobre diversas questões. As críticas feitas pelo autor à sociedade, imprensa, igreja, governo etc. são ainda muito atuais e também levantam questionamentos sobre os nossos próprios atos. É uma maneira de refletirmos de maneira mais crítica sobre como estamos agindo e se de fato estamos ajudando a construir um mundo melhor. Pode ser que você não esteja procurando um livro do gênero no momento, mas o meu conselho é que você guarde sempre essa recomendação com você. Depois de ler, acho difícil se arrepender.

“Se faziam tudo aquilo é que não tinham casa, nem pai, nem mãe, a vida deles era uma vida sem ter comida certa e dormindo num casarão quase sem teto”

Sobre o autor
Camila Tebet Camila Tebet, 22 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Lê de tudo um pouco, mas os gêneros de que mais gosta são os romances românticos e chick-lit. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

  1. terça-feira, 31 de março de 2015.

    Parece ilogico, mas eu ainda não li ele kkk É tão bem recomendado que eu quero resolver este "problema" logo.

  2. terça-feira, 31 de março de 2015.

    Parece ilogico, mas eu ainda não li ele kkk É tão bem recomendado que eu quero resolver este "problema" logo.

  3. terça-feira, 31 de março de 2015.

    Ahhhhh! Eu amo Jorge Amado!
    Super recomendo esse!
    Beijão

    Blog Cheiro de Livro Nacional

  4. terça-feira, 31 de março de 2015.

    Estou para começar a ler dona flor e seus dois maridos, Jorge Amado é divo rsrs, sempre quis ler esse livro e até hoje não entendo porque não li, amei a resenha parabéns.
    beijos

  5. terça-feira, 31 de março de 2015.

    Nunca li nenhum livro dele ( Pode rir ) Bom pretendo ler em breve…Acho que vou começar com esse Capitães da Areia porque me pareceu interessante. 🙂
    Beijo

    http://proximapagina-pp.blogspot.com.br

  6. terça-feira, 31 de março de 2015.

    Ah Jorge Amado é amor, já faz anos que eu quero ler Capitães da Areia, já conheço a história e fiquei ainda mais curiosa ao ler essa resenha, mas por incrível que pareça eu não consigo tempo para lê-lo. Espero que ainda esse ano eu consiga um tempo para matar minha curiosidade!

  7. terça-feira, 31 de março de 2015.

    Oii, tudo bem?
    Eu já tinha ouvido varias pessoas falando bem desse livro, porém nunca tinha procurado saber do que se trata, mas agora a premissa da historia pareceu ser bem interessante, acho que irei gostar pois foca na vida de vários jovens.

    http://www.fonte-da-leitura.blogspot.com.br

  8. terça-feira, 31 de março de 2015.

    Oiee ^^
    Já tinha ouvido falar dos livros desse autor, porém como não sou fã de clássicos, nunca nem cheguei perto de ler algum deles. Fiquei curiosa depois da sua resenha, mas ainda estou um pouco receosa *-*
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

  9. quarta-feira, 1 de abril de 2015.

    O livro é perfeito!
    Nossa, como mudou a forma que olhei para o mundo. O livro me ajudou a dar os primeiros passos para olhar para as pessoas de maneira mais humana. é um livro em que todos devem ler e reler…
    http://www.poesianaalma.com.br/

  10. quarta-feira, 1 de abril de 2015.

    Impossível discordar de você! Capitães da Areia é realmente um livro que deveria ser lido por qualquer pessoa, pelo menos uma vez na vida. E ele só melhora nas vezes seguintes. Eu o li pela primeira vez quando era adolescente, me encantei por tudo, me choquei com a cena do Pedro Bala e a menina desconhecida na areia da praia à noite, chorei com alguns acontecimentos. Lembro que reli o livro logo em seguida. E acho que agora está na vez de relê-lo, você me deu uma ótima ideia!
    Um beijinho,
    http://www.literasutra.com

  11. quarta-feira, 1 de abril de 2015.

    Oie
    Jorge Amado <3 Como não amar?
    Capitão de Areia é uma obra magnifica, não discordo de você! É uma obra que deveria ser lida por todos, é algo que te faz mudar a visão de muitas coisas, da vida.
    Adorei o post, parabéns *-*

    Beijos <3 http://malucosentimento.blogspot.com/

  12. quarta-feira, 1 de abril de 2015.

    Oi Camila, sua linda, tudo bem?
    Adorei sua resenha, você escolheu um dos livros que marcaram minha adolescência. Todos deveriam ter essa experiência, passar por ele. Eu li na biblioteca da minha escola, só para ter uma ideia, fizeram lista de espera para pegar esse livro. Ele é incrível!!!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

  13. quarta-feira, 1 de abril de 2015.

    Oi Camilaa!
    Vc tem toda razão, livro q merece ser lido na vidaa!
    Eu li Capitães de areia quando era muito novinha, e lembro que ameii!
    É um livro maravilhoso!!
    Bjos!
    Aline Praça
    http://www.leituravipblog.com

  14. quarta-feira, 1 de abril de 2015.

    Ola Camila acredito que ainda não li esse livro, um grande clássico merece ser lido, ainda mais que a leitura fluiu bem , e aborda temas interessantes. Vou arrumar um tempo para ler com certeza. beijos

    Joyce
    http://www.livrosencantos.com

  15. quarta-feira, 1 de abril de 2015.

    Oiee, tudo bem?

    Clássico é clássico. Capitães de Areia é aquele livro que todo mundo deveria ler. Mas sou contra darem esses livros para serem lidos no colégio, quando a criança é muito nova. Ler depois da adolescência dá um entendimento muito maior da profundidade da história =)

    beijos
    Kel
    http://www.porumaboaleitura.com.br

  16. quarta-feira, 1 de abril de 2015.

    Adoro os livros de Jorge Amado, esse livro é lindo para refletir, e deixa mesmo um gostinho de quero mais! Uma obra maravilhosa ♥

  17. quarta-feira, 1 de abril de 2015.

    Olá
    Eu ainda me odeio por não ter lido esse livro, é que estou me preparando pois parece ser uma leitura bem diferente do que estou acostumada, mas desse ano não passa e fiquei sabendo que ele está na lista de livros da FUVEST desse ano, então, não posso deixar de ler, ótima resenha 😉

    http://realityofbooks.blogspot.com.br/
    Catharina
    Beijos

  18. quarta-feira, 1 de abril de 2015.

    Oii, tudo bem?
    Que resenha fantástica! Já tinha ouvido falar do livro, mas nunca parei para saber mais sobre ele…
    Quando tiver uma oportunidade irei ler.
    Bjs

    A. Libri

  19. quinta-feira, 2 de abril de 2015.

    é vergonhoso mas nunca li nada de Jorge Amado… Já vi algumas adaptações mas foi só.
    Recentemente teve uma nova adaptaçao de Capitães de Areia e fiquei super afim de assistir…
    Parabéns pela resenha… beijos

  20. quinta-feira, 2 de abril de 2015.

    Ola Camila! Capitães da areia é uns dos meus livros preferidos da vida tenho o um carinho imenso por ele que colocou os nacionais na minha estante e todo amor do mundo pra Jorge Amado.
    BEIJOSSsss…

    sonhos de leitor

  21. quinta-feira, 2 de abril de 2015.

    Oi, tudo bem?
    Eu não costumo ler clássicos, mas uma vez a professora começou a ler esse livro com a sala e eu gostei bastante da história, a mesma era bem interessante e emocionante, mas infelizmente não deu para concluir a leitura e até agora eu não li o livro, mas pretendo algum dia e acredito que vou gostar bastante.

    Beijos :*
    Larissa – http://srtabookaholic.blogspot.com

  22. quinta-feira, 2 de abril de 2015.

    Oiiii
    Confesso que clássicos não são o meu tipo de leitura preferidos mesmo sabem que são de extrema importancia a leitura.
    Sua resenha está perfeita. Já conhecia a história por causa da escola e tudo mais, mas eu não leria não

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

  23. quinta-feira, 2 de abril de 2015.

    Oi, acho que nunca li um clássico, tenho que começar a me focar nisso, preciso ler mais hahaha
    http://letrasemvida.blogspot.com.br/

  24. quinta-feira, 2 de abril de 2015.

    Oii.
    Já comecei a ler esse livro, mas não consegui terminar.
    Acho que não me adaptei ao linguajar do autor. E também era leitura obrigatória para o vestibular da faculdade então acho que foi um fator que me desmotivou kkkk
    Mas é uma obra literária importantíssima para a cultura brasileira, não há como negar.

    Beijos
    Carolina
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br

  25. sexta-feira, 3 de abril de 2015.

    Oi, tudo bem?
    Ainda não me aventurei com Jorge Amado, mas já me indicaram várias vezes. Esse é um livro que até tenho curiosidade de ler, pra saber se é tudo isso que me falaram, mas que não me desperta aquela vontaaade sabe?
    Adorei a resenha!
    Beijos
    http://www.romanceseleituras.com

  26. sexta-feira, 3 de abril de 2015.

    Um grande clássico da literatura brasileira, infelizmente eu não li ainda, mas lerei em breve.

    http://palavrasdelucidez.com.br/eu-a-garrafa-e-o-copo/

  27. sexta-feira, 3 de abril de 2015.

    Li esse livro na escola, acho que ainda no ensino fundamental, e me lembro dessas questões sociais todas aí. Jorge foi muito ousado de tratar esse tema já naquela época. Mas o que mais me marcou da leitura foi a primeira vez que ouvi falar de sexo anal. De boa, acho que não tava preparada psicologicamente pra isso, aí levei um susto. Seria até um livro pra reler, mas se falta tempo pra ler 1, quem dirá reler. Rs
    Beijinhos!
    Giulia – http://www.prazermechamolivro.com

  28. sexta-feira, 3 de abril de 2015.

    Oi 🙂
    apesar de já ter lido muitas coisas positivas sobre esse livro (a sua inclusive), não é uma leitura que enche meus olhos sabe.
    espero que para quem curte seja algo agradável.
    Seguindo o Coelho Branco

  29. sexta-feira, 3 de abril de 2015.

    Oi Camila tudo bem??

    Na minha opinião esse livro tinha que ser levado as escolas principalmente para o ensino médio, onde os adolescentes estão finalizando a sua formação para a vida adulta… infelizmente as pessoas acham melhor julgar e apontar o dedo, do que olhar para o lado e enxergar o outro… o ser humano independente de sua condição muitas vezes merecem uma oportunidade… claro que não vou generalizar que tem os que querem e os que não querem, mas jamais saberemos disso se não tentarmos não é mesmo?? Adorei a sua resenha, parabéns…. Xero!!

  30. sexta-feira, 3 de abril de 2015.

    Camila, esse livro super está na minha lista de clássicos que eu quero ler. Acho que vou me surpreender com o conteúdo, com as críticas, por conta da época em que ele foi escrito. Mas isso é bom né? Um autor ousado, que consegue manter sua obra atual ao longo das décadas.
    Diante de seus elogios, só fiquei mais empolgada em efetuar a leitura.

    Beijiinhos ;*
    Andressa – Blog Mais que Livros

  31. sábado, 4 de abril de 2015.

    Oi Camila!!
    Jorge Amado é um de meus escritores preferidos, eu simplesmente amo Dona Flor e seus Dois Maridos!
    Mas ainda não li Capitães da Areia, fiquei muito animada para ler!

    Beijos,
    Fernanda

  32. domingo, 5 de abril de 2015.

    Olá

    Ainda não li nada do Jorge Amado, pode me apedrejar, mas tenho dois aqui na estante precisando de leitura. Capitães da Areia é um deles, tenho muita curiosidade pela história que já inspirou filmes, músicas e bandas a fazerem coisas bacanas. Também tenho aqui Tenda dos Milagres que parece ser uma obra, assim como essa, fantástica. Lerei as duas obras em breve.

    Abraço!

  33. segunda-feira, 6 de abril de 2015.

    Oi,
    Li um livro de Jorge Amado tem um tempo já, esse é um que pretendo ler em breve, sempre leio e ouço ótimas coisas do livro e pelo que li aqui é verdade, o que me chamou atenção foi as questões sociais abordadas por ele, algo que sempre estamos falando e ouvido e que já foi tão bem retratado nessa obra.
    Parabéns pela linda resenha.
    Beijos

    Mari – Stories And Advice

  34. segunda-feira, 6 de abril de 2015.

    Li ainda na adolescência, e lembro que na época apesar de ter gostado não foi um dos meus favoritos, mas é um clássico que não sai de moda.
    Bjs, Rose

  35. terça-feira, 7 de abril de 2015.

    Olá, Camila.
    Eu amo Jorge Amado e amo esse livro. Li pela primeira vez para uma atividade da escola e me encantei completamente pela escrita e pelos personagens.
    É uma história intensa e real. Um livro lindo.
    Amei sua resenha. Realmente todo mundo precisa ler.

    Beijocas,
    http://www.segredosentreamigas.com.br/

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: