segunda-feira, 23 de março de 2015

Editora: Companhia de Bolso
ISBN:  9788535911343
Gênero: Ensaios
Publicação: 2007
Páginas: 288
Skoob
No fim do ano passado, após fazer uma recapitulação das leituras realizadas durante o ano, percebi que poucos dos títulos lidos eram clássicos. Pensando nisso, criei o projeto “Lendo mais clássicos em 2015”, que consiste em ler 12 clássicos durante este ano. A ideia surgiu pelo fato de eu ter tido boas experiências anteriores com o gênero e também após debatermos o assunto na faculdade. Hoje, a resenha que eu trago para vocês é de um dos contos do livro “Por que ler os clássicos”, do Ítalo Calvino. Esse é o primeiro capítulo, que leva o mesmo título da obra, pois os outros são ensaios sobre livros específicos.
A primeira coisa que o autor aponta em seu livro é o fato de que as experiências de leitura quando jovem são diferentes das realizadas quando mais maduro. Quando jovem, a leitura dos clássicos pode ser pouco proveitosa, de pouca identificação, mas, ao mesmo tempo, é uma leitura formativa, que fornece repertório para o leitor. O conteúdo torna-se parte do inconsciente, por isso é sempre importante revisitar as obras mais importantes da juventude, pois a leitura sempre será diferente, trazendo elementos novos e diferentes reflexões a cada vez.
Outro motivo levantado pelo autor de por que devemos ler os clássicos é o fato de que eles possuem uma enorme bagagem. Muitas vezes, os livros têm um grande contexto histórico, apresentando os costumes e moral da época. Além disso, são obras muito bem escritas. Os autores organizam bem suas ideias e trabalham muito bem com as palavras, lapidando cada uma das frases e tornando o produto final impecável. Calvino também diz que os clássicos sempre surpreendem e se revelam inesperados. Entretanto, é preciso haver uma conexão com o leitor, que deve ir atrás da obra por amor, e não por obrigação ou apenas respeito.

De acordo com o autor, os livros clássicos apresentados pela escola estão ali para serem introduzidos ao leitor. Depois, é ele que deve fazer uma seleção e decidir o que ler. É assim que você cria uma relação com o livro, fato que leva a mais um motivo dado por Calvino: o clássico é capaz de te definir, dependendo da relação de identificação criada. Além disso, são também “equivalentes ao universo”, já que possuem uma característica muito forte de atemporalidade. Geralmente, as questões levantadas pelas obras podem ser relacionadas com diversos períodos históricos. Se você realizar a leitura de um clássico hoje, com certeza ele trará reflexões sobre problemas da atualidade. Sendo antigo ou moderno, possui efeito de ressonância.

Ainda que esse tipo de leitura seja importante, o autor alerta que é preciso intercalar com livros da atualidade, para não se perder em uma “nuvem atemporal”. Além disso, a leitura de clássicos não significa a desvalorização das obras contemporâneas, que também devem ser apreciadas.
Os outros capítulos do livro consistem em ensaios do autor sobre clássicos consagrados. Entre eles estão Odisseia, Madame Bovary e Grandes Esperanças. O restante do livro parece também ser muito interessante, mas eu escolhi ler os capítulos conforme for lendo os respectivos livros.
E aí, vocês concordam com o autor? Deixem aqui nos comentários se vocês costumam ler livros clássicos, quais mais gostaram e como foram as experiências de leitura de vocês!

“Servem para entender quem somos e aonde chegamos”

“Ler os clássicos é melhor do que não ler os clássicos”

Sobre o autor
Camila Tebet Camila Tebet, 22 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Lê de tudo um pouco, mas os gêneros de que mais gosta são os romances românticos e chick-lit. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

  1. quarta-feira, 25 de março de 2015.

    Oi Camila!
    Adorei seu post! Eu acho que os clássicos são clássicos por uma razão! Já passaram pelas mãos de tantos leitores que não deve ser à toa, né? Eu amo ler os clássicos e imaginar como era a época em que o livro foi escrito! Esse livro do Calvino é maravilhoso, mas ainda não tive a oportunidade de ler!
    Eu já li "Grandes Esperanças" e recomendo! Até já escrevi sobre ele no meu blog, se você tiver interesse!
    Beijos e boas leituras!!
    Fernanda
    http://oprazerdaliteratura.blogspot.com.br/

  2. quarta-feira, 25 de março de 2015.

    Este comentário foi removido pelo autor.

  3. quarta-feira, 25 de março de 2015.

    Este comentário foi removido pelo autor.

  4. quarta-feira, 25 de março de 2015.

    Oi Camila!
    Parabéns pelo post, primeira vez que vejo algo do tipo, e me agradou muuuito, adoro clássicos. Gostei da reflexão que o autor fez sobre os clássicos, e concordo com ele sim. 😀 Muito bom.

    http://palavrasdelucidez.com.br

  5. quarta-feira, 25 de março de 2015.

    Este comentário foi removido pelo autor.

  6. quarta-feira, 25 de março de 2015.

    Camila, simplesmente perfeito o que você escreveu. Acredito que a escola tem papel fundamental para inserir os clássicos desde que adaptados e com belíssimas ilustrações, e que seja feito um trabalho junto ao aluno para que ele entenda todo o contexto.

    Concordo perfeitamente com o que você disse, tem uma hora que nós que somos leitores constantes, necessitamos da literatura clássica, porque realmente nos ensina muito. Estou desde o ano passado me sentindo incomodada por também não ter lido tantos clássicos quanto gostaria. Esse ano já consegui ler: 100 anos de solidão de Gabriel Garcia Marquez e tentando ler outros, fiz uma listinha. Gostei de ter abordado esse assunto. Beijos

  7. quinta-feira, 26 de março de 2015.

    Gosto de ler clássicos especialmente pelo contexto histórico. Acredito que é uma forma muito mais dinâmica e divertida de se aprender sobre uma determinada época.
    Um que li e amei foi Moll Flanders, me conquistou por completo!
    Gostaria muito de ler Madame Bovary, até tenho o exemplar, vou arrumar um tempinho para ele 😉

    Beijos ;*
    Proseando com uma BibliophileFacebook

  8. quinta-feira, 26 de março de 2015.

    Não costumo ler muitos clássicos, porém vontade é o que não me falta! Gostei bastante do ponto de vista do autor, e apesar de ler poucos clássicos eu concordo com ele, e acho que eu devo praticar isso um pouco mais. Lendo o post acabei pensando em por como meta para mim, um clássico ao mês …. realmente foi bom fazer essa reflexão!!

    xoxo
    http://www.amigadaleitora.com/

  9. quinta-feira, 26 de março de 2015.

    Oi, Camila!
    Muito bacana seu post.
    Eu confesso que não costumo ler clássicos, só li Romeu e Julietta e Morro dos ventos uivantes.
    Tentei ler Orgulho e Preconceito, mas não consegui. Não funcionou pra mim.

    Beijinhos
    Jaque – Meus Livros, Meu Mundo.

  10. quinta-feira, 26 de março de 2015.

    Oi, tudo bem?
    Concordo muito com o autor quando ele diz que nós vemos os livros de maneira diferente conforme nós amadurecemos e nvelhecemos. Por isso que acredito que a leitura dos clássicos não deveria ser obrigatória na adolescência, pois raramente será proveitosa.
    Eu não li muitos clássicos na minha vida, mas só agora, depois de já ter terminado a escola que tenho vontade de ler alguns clássicos.
    Adorei o post, e o incentivo a leitura dos clássicos, acho que todos deveriam ler pelo menos um na vida!
    Beijos
    http://www.romanceseleituras.com

  11. sexta-feira, 27 de março de 2015.

    Olá, tudo bem?

    Não curti muito a capa do livro não, mas adorei a premissa da obra e a ideia desse primeiro conto. Super concordo com o autor sobre a leitura dos clássicos quando criança não ser algo muito produtivo, pois além de não estar no momento certo da leitura de determinada obra, pode fazer com que a criança/pré adolescente se afaste dos clássicos justamente por muitas vezes ser forçado a ler uma obra dessas fora de hora. Eu por exemplo, não tinha vontade nenhuma de ler Shakespeare quando tinha 12 anos e ainda assim fui obrigado pela professora ¬¬, ou seja, tomei birra de clássicos HAHAHAHA

    Adorei a o texto e apesar de concordar com você que as vezes necessitamos da leitura dos clássicos, vou deixar passar pois já tinha minha quota na faculdade HAHAHA.

    Abraços,
    Matheus Braga
    Vida de Leitor – http://vidadeleitor.blogspot.com.br/

  12. sexta-feira, 27 de março de 2015.

    Oi Cami,
    tudo bom? Ainda não conhecia "Para que ler clássicos", mas me pareceu muito interessante. Concordo em vários pontos com as afirmações feitas pelo autor, as quais você citou. Gostaria de ter participado de um projeto como esse, que me incentivasse a ler mais, fosse o que fosse. Espero que no próximo ano eu participe. Beijos,
    http://www.entreleitores.com/

  13. sexta-feira, 27 de março de 2015.

    Oi Camila,
    hoje em dia é tão difícil pegar um clássico, pela forma em que é escrito, pois foge do nossa forma de falar e costumes; podendo isso ser o maior obstaculo ao jovens leitores.
    Confesso que não sou fã de clássicos por este motivo, mas lendo seu post, comecei a analisar de outra forma, o que foi dito aqui é verdade: Os Clássicos podem ser uma especie de ressonância.
    Depois dessa, acho que vou começar a procurar os clássicos que me agradem e ler.
    Eu adorei a postagem, e gostei muito das ideias levantada sobre os clássicos, e Ítalo sabe bem o que fala.

    Beijokas Ana Zuky
    SA Revista

  14. sexta-feira, 27 de março de 2015.

    Camila, queria poder dizer que também tive boas experiências com clássicos, mas seria mentira.
    Entendo a posição do autor e concordo com boa parte – a carga histórica, atemporalidade, etc. – mas não acho que é o melhor tipo de livro para introduzir alguém no mundo da leitura. De qualquer forma, quero ler alguns clássicos ainda, principalmente os nacionais. Afinal de contas, eles são parte do patrimônio cultural do nosso país.

    Beeeijinhos ;*
    Andressa – Mais que Livros

  15. sábado, 28 de março de 2015.

    Olá, toda minha vida de leitor, li pouquíssimos clássicos, uma vergonha, classicos são maravilhosos pelo motivo de ser contemporâneo, passam anos e anos e a obra continua lá, atraindo mais leitores, em 2015 também busco ler mais clássicos, enganado esta quem pensa que clássicos são ruins. Não conhecia esse livro, obrigado pela indicação.

    Beijos,
    http://marcasliterarias.blogspot.com.br

  16. domingo, 29 de março de 2015.

    Oi, Camila.
    Amo os livros clássicos. Faço Letras na Faculdade e minha matéria favorita é, definitivamente, Literatura Brasileira.
    Não consegui entrar no projeto de 12 clássicos por ano esse ano, mas pretendo participar no próximo. Esse livro do Ítalo é uma ótima forma de presentar esses livros para as outras pessoas.

    Beijocas,
    http://www.segredosentreamigas.com.br/

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: