segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Avaliação: 5/5
Editora: Martin Claret
ISBN: 9788572328784
Gênero: Romance de Época
Publicação: 2012
Páginas: 304
Skoob
Quem acompanha o Facebook do blog viu que, logo no início do mês, comecei a ler um dos livros que escolhi para o projeto Lendo mais clássicos em 2015. Busquei uma leitura leve e decidi começar com A Abadia de Northanger, escrito por Jane Austen. Já havia lido um livro da autora e estava um pouco receosa com este, já que o primeiro levou um tempo para engrenar. Entretanto, esta experiência foi bem diferente. Assim que li as primeiras frases do livro fiquei completamente encantada e, a partir daí, foi bem difícil deixá-lo de lado. Inclusive, quando terminei a leitura, era uma madrugada, lá pelas 4 horas, só um pouco antes de acordar para ir viajar. Como não queria levar o livro, não consegui aceitar a ideia de só saber o final da história em oito dias.
Concluído em 1803 e publicado em 1818,  A Abadia de Northanger nos apresenta a protagonista Catherine Morland, que deixa a sua tranquila vida na zona rural da Inglaterra para passar uma temporada na sofisticada e agitada Bath, a convite dos amigos dos seus pais sr. e sra. Allen. Aos 17 anos, e cansada de estar sempre entediada, ela vê em sua ida a Bath a chance de viver a maior aventura de sua vida. Catherine, ao contrário das personagens femininas com personalidades fortes e ideais marcantes criadas por Austen, é uma garota muito ingênua e um tanto influenciável, apesar de bastante bondosa. A autora soube lidar muito bem com esses traços e criou uma personagem harmoniosa, que apesar de ter um jeito um pouco ‘bobo’, não incomoda e cativa a cada página. Além disso, é também muito sonhadora, já que um de seus maiores passatempos é ler romances góticos e se imaginar no lugar das mocinhas dos livros.

“Ninguém que tivesse visto Catherine Morland quando criança teria imaginado que ela nascera para ser heroína. Sua situação na vida, o caráter do pai e da mãe, sua própria pessoa e disposição, tudo ia contra ela.”

Em Bath, desesperada por fazer amigos e ter novas companhias, Catherine passa a ser acompanhada pela sorte, já que logo encontra conhecidos e torna-se amiga fiel de Isabella Thorpe. O irmão mais velho de Isabella, John Thorpe, por coincidência é grande amigo de seu irmão, James Morland, que logo passa a acompanhá-los na temporada. Apesar de estar sempre junto dos três e receber grande atenção de John Thorpe, que não disfarça o encanto que sente por ela, o que Catherine realmente deseja é encontrar-se mais vezes com Henry Tilney, um agradável cavalheiro que teve a chance de conhecer em um de seus primeiros bailes na cidade.

Em uma estratégia para reaproximar-se dele, Catherine torna-se amiga de Eleanor Tilney, irmã do cavalheiro. Logo, elas descobrem diversas coisas em comum e estreitam os laços, que levam Catherine a ser convidada a passar uns tempos na Abadia de Northanger, propriedade dos Tilney. Lá, relembrando todas as histórias góticas que havia lido e sentindo-se em um cenário de livro, ela passa a procurar mistérios para desvendar, frustrando-se ao perceber que a propriedade não tinha nada de incomum. Apesar de sua viagem estar quase no fim, a nossa heroína ainda enfrentará situações que a tornarão outra pessoa. Além de lidar com a sensação de se apaixonar pela primeira vez, também descobrirá que ao seu redor também há falsidade e influências negativas, assim como terá que sair de sua zona de conforto e perceber que já não é mais criança, sendo obrigada a diferenciar a realidade da fantasia.

A Abadia de Northanger é um livro divertido e encantador. Como em outras obras da autora, esta também contém diversas doses de ironia. Além de fazer uma defesa ao romance, criticando os críticos da época, que consideravam o gênero superficial, ela faz um tipo de sátira aos romances góticos, contrastando imaginação e fantasia e apresentando os conflitos gerados por essa relação. A autora, como de costume, também insere trechos em que ironiza os costumes e a sociedade da época, revelando os jogos de interesse e a falsidade e hipocrisia por trás das relações.
Gostei muito da leitura e estou curiosa para ler outras obras da autora. Como em Orgulho e Preconceito, fui cativada pelos personagens principais, assim como senti repulsa por alguns secundários, o que me mostrou, mais uma vez, como a narrativa de Jane Austen é capaz de provocar diversas emoções no leitor. Ao terminar de ler o livro, assisti a adaptação de mesmo nome feita pela BBC e estrelada por Felicity Jones e JJ Feild. O filme ficou bastante fiel e gostei muito da escolha dos atores. Assim como o livro, está altamente recomendado.

“A amizade é decerto o melhor bálsamo contra as dores da decepção amorosa”

“- Aquele que, homem ou mulher, não sente prazer na leitura de um bom romance deve ser insuportavelmente estúpido” 

Sobre o autor
Camila Tebet Camila Tebet, 22 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Lê de tudo um pouco, mas os gêneros de que mais gosta são os romances românticos e chick-lit. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

  1. quarta-feira, 21 de janeiro de 2015.

    Olá!.

    Sou suspeita para falar, porque amo os livros da Austen e a Abadia de Northanger é um dos meus preferidos por ser ao mesmo tempo tão leve e critico. Fico feliz que tenha gostado dele e espero que leia mais e mais livros da Austen (que não são muitos). E a adaptação da BBC é muito fofa!

    Te convido a ler a resenha que fiz dele: http://coolturenews.com.br/resenhas/787/a-abadia-de-northanger

    Beijos!

  2. quarta-feira, 21 de janeiro de 2015.

    Oiee ^^
    Ainda não li nada da Jane, mas quero conhecer as obras dela antes do lançamento da adaptação de Orgulho e preconceito e zumbis. Estou doida para conhecer a escrita dela.
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

  3. quarta-feira, 21 de janeiro de 2015.

    Ainda não li esse livro da autora, mas qualquer coisa de Jane Austen é inspirador.
    Fiquei tentada a procurar pela adaptação da BBC, mas seria estragar a leitura, tirando todo o elemento surpresa. Adorei seu post.

    http://cafeecomletras.blogspot.com.br/

  4. quinta-feira, 22 de janeiro de 2015.

    Com certeza lerei outras obras dela 🙂 Os dois que li foram incríveis. Inclusive, tenho quase todos aqui em casa. Só falta Emma e as obras incompletas. Para este ano ainda pretendo ler Persuasão, que também faz parte do meu desafio. Beijos!!

  5. quinta-feira, 22 de janeiro de 2015.

    Oi, Dryh 🙂 Vale a pena começar pelo próprio "Orgulho e Preconceito". Aí você já conhece a história original, que por sinal é incrível. Beijos!

  6. quinta-feira, 22 de janeiro de 2015.

    Obrigada, Andreza! Tenho o box das adaptações da BBC aqui em casa e também tive que me controlar haha Não quero conhecer as histórias antes de ler os livros. Valeu a pena a espera 🙂 "A abadia de Northanger" é realmente incrível. Beijos!

  7. quinta-feira, 22 de janeiro de 2015.

    Oii, tudo bem?
    Só li O&P da Jane até hoje…tenho Persuasão e A Abadia de Northanger aqui, preciso tomar vergonha na cara e ler!
    Essa edição da Martin Claret é linda!
    Bjs

    http://a-libri.blogspot.com.br

  8. quinta-feira, 22 de janeiro de 2015.

    Olá!
    Eu nunca li nada de Jane Austen, mas tenho muita vontade de ler seus livros, o que pretendo fazer ainda esse ano. A Abadia de Northanger parece ser interessante, mas me senti incomodada pela protagonista ter uma personalidade tão fraca. Ah, gostaria de elogiar a edição, que é muito bonita. Recentemente vi uma outra edição, desta vez bilíngue e de capa dura, de A Abadia de Northanger e também a achei impecável.
    Tenho certeza de que a adaptação da BBC é maravilhosa, visto que acompanhando algumas séries produzidas pela emissora e elas estão na minha lista de preferidas (Sherlock e Doctor Who).

    Leitores Forever

  9. quinta-feira, 22 de janeiro de 2015.

    Amei sua resenha querida. A autora é uma das minhas favoritas, sou apaixonada por romances de épocas rs. Já li Orgulho e Preconceito e sou apaixonada, mesmo eu ter demorado bastante para ler. Não conhecia este livro a premissa, apenas a capa e alguns comentários. Não tenho muita curiosidade este livro por ter outros que tenho mais preferência como Emma e Razão e Sensibilidade. Mas espero ler esta obra também…
    Beijos, sucesso ^^
    http://chuvaelivros.blogspot.com/

  10. quinta-feira, 22 de janeiro de 2015.

    Oiee Cami, tudo bom?
    Nossa que capa mega linda ♥ Nhaaaaaaaaaw, sou doido para ler algum livro da Jane Austen (e quero apostar a primeira obra no "Orgulho e Preconceito" pois sempre vi comentários super positivos da escritora). Fizeram até um livro para os fãs da Jane "O Diário Secreto de Lizzie Bennet" que tem uma premissa linda, preciso ler logo algum livro dessa autora. Adorei demais sua resenha, me deixou com um gostinho de quero mais HAUAHAAHU.

    Beijos ♥
    Ps: Adorei muuuuuito conhecer seu blog, todo o conteúdo e o layout já dá para ser visto que são feitos com muito carinho, awn <3
    http://umgrandevicioliterario.blogspot.com.br/

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: