terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Avaliação: 5/5
Editora: Geração Editorial/ Cortesia
ISBN: 9788581300641
Gênero: Reportagem
Publicação: 2014
Páginas: 192
São Paulo uma das cidades mais populosas, que abrange diversas culturas e todos os tipos de pessoas, de todas as nacionalidades, cores e personalidades; é o lar de centenas de solitários, pessoas que em meio à multidão são reclusas, e vivem em um mundo só delas, onde ninguém tem acesso, se não elas mesmas.
O livro Solidão nos traz relatos de como vivem esses solitários, são diversas reportagens publicadas em 1982 no jornal O Estado de S. Paulo, pelo jornalista José Maria Mayrink. Reportagens que retratam histórias verídicas de pessoas que convivem com a Solidão, algumas por um período, e outras por toda a vida.
Acompanhamos diversos cenários, desde a rua, com os mendigos, até hospitais, igrejas, como as freiras e os padres. Somos apresentados a várias histórias, uma delas é a da “Mineira Solitária”, uma mulher que por razões profissionais, teve que se mudar para São Paulo, e lá se deparou com uma imensa solidão, que a fez pedir ajuda, ela publicou um anúncio no jornal na época, expondo sua situação:


“Obrigada a me transferir de Belo Horizonte, por razões profissionais, estou sozinha e sem amigos em São Paulo. A cidade me sufoca durante o dia e me isola à noite num pequeno apartamento de bairro. Não sei o que fazer, não tenho a quem recorrer, às vezes chego quase ao desespero. Quero gente para conversar, quero pessoas ao meu lado. Socorro para uma solidão que não sei definir, mais que me atormenta. Ajude-me, por favor.”

Existem muitas pessoas na mesma situação que esta mulher, e o livro nos mostra isso, solidão de diversos tipos, pessoas que parecem estar bem, mas que por dentro estão acabadas.
A solidão, o sentimento de vazio, estão presentes na vida de milhares de pessoas, e as histórias apresentadas neste livro, nos mostram uma realidade que a “Selva de pedra”, mascara em sua correria do dia-a-dia.

Eu recomendo muito a leitura. Este livro é uma obra incrível, as histórias são emocionantes, cada relato nos toca de uma maneira tão intensa, que com certeza mudou minha visão sobre muitas coisas.

As reportagens foram feitas no início dos anos 80, em uma época em que a tecnologia ainda estava engatinhando, pelo menos no Brasil, nessa época as pessoas jamais acreditariam que no futuro teríamos tanta tecnologia como hoje, e se lá em 80, as pessoas ficavam reclusas em suas máquinas, imagina nos dias de hoje. Quantas pessoas não vivem na solidão tecnológica, quantos só se relacionam pela internet, acredito que os solitários se multiplicaram nos dias de hoje.
Em cada história, do viúvo que não consegue retomar a vida, da idosa que brinca com bonecas em seu quarto de hospital, do idoso que tem como companhia um pássaro, ou do presidiário que nem o rádio escuta mais, para não se afogar ainda mais em sua solidão; vemos como a solidão pode acabar com uma pessoa, e é uma dor tão forte que é quase impossível não se emocionar.

A edição está linda, o livro está impecável, muito bem construído e bem escrito, vale muito a pena a leitura, com certeza entrou para a lista dos melhores livros do ano. Leiam, vocês não irão se arrepender!

“Já dormi na calçada e já pedi esmola, fui viciada e passei noites em hotéis, me refugiei na bebida e acabei indo pra cadeia. Depois de um ano na prisão e três filhas. Estou aqui numa vida nova, agora sou outra. Mas a solidão que eu arrastava pelas sarjetas ainda me acompanha.”

“A solidão que começa na boate continua em casa, pois mal vejo a minha filha, que eu adoro. Quando ela vai para a escola, eu entro no quarto e choro. Mesmo quando estou com a menina junto de mim, eu me sinto só.”

“Mas eu choro muito. Procuro discutir o que é solidão, não sei definir. Eu vou morrer com ela. Não por opção de vida, mas, talvez por acomodação. Fugi de um gueto, caí em outro- o restaurante, que é o eixo da solidão no centro de São Paulo. Para mim, a solidão é uma doença que mata mais do que o câncer. Mas as pessoas fogem desse tema com medo.”


Sobre o autor
Viagens de Papel O blog Viagens de Papel foi criado em 22 de janeiro de 2013 com o intuito de promover diálogo sobre literatura, paixão que todos os autores do projeto têm em comum. Através de resenhas, lançamentos, listas, dicas e variadas matérias, queremos que você sinta-se em casa e aprecie o conteúdo nosso conteúdo! =)


Deixe uma resposta

  1. segunda-feira, 19 de janeiro de 2015.

    Olá , tudo bem?
    Interessante o tema do livro , fiquei sensibilizada com os exemplos expostos
    Quero muito ler e saber mais 🙂

    bjao
    Ariane
    http://www.resenhasdelivros.com.br

  2. segunda-feira, 19 de janeiro de 2015.

    Bom, a solidão é uma das coisas que eu mais temo, e apesar de também não ser uma grande fã de contato social, ainda prefiro as pessoas. Um tema assim merece ser bem tratado, e nada mais fiel do que relatos das próprias que enfrentam essa situação.

    Leitores Forever

  3. segunda-feira, 19 de janeiro de 2015.

    Eu sou muito solitária, por isso me identifiquei muito com o tema abordado. Sou do tipo de não sair mesmo de casa e preferir ficar sozinha, mesmo dentro da minha família. Mas confesso que gosto de ser como sou. Nunca pensei, tipo: "Odeio ser solitária", porque acho que isso faz parte de quem sou, e a gente não deve renegar quem somos. Prefiro estar só, com coisas que gosto, a perto de pessoas que só querem me fazer mal.
    Fiquei com bastante vontade de conhecer esses relatos, pois todos parecem muito relevantes e sinceros!

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

  4. segunda-feira, 19 de janeiro de 2015.

    Nossa, eu preciso muito, mas muito mesmo ler esse livro! Moro em São Paulo, e trabalho umas 12 horas por dia, chego em casa cansada e venho para a internet ou me largo em meus livros. A solidão pesa, a solidão dói, a solidão sufoca.

    Obrigada pela resenha.
    http://www.serleitora.com.br

  5. terça-feira, 20 de janeiro de 2015.

    Esse livro tem uma premissa muito interessante. A solidão é um sentimento muito forte e que eu não curto muito. Acho bom estar sozinha, mas sei lá kkkk
    http://www.belapsicose.com

  6. terça-feira, 20 de janeiro de 2015.

    Olá!
    Nossa esse livro parece ser bem forte.
    Mas não sei me interessaria a lê-lo, não entraria na minha lista de leituras, pelo menos não por agora. Mas tem uma premissa interessante.
    Gostei da resenha.

    Beijos
    Carolina
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

  7. terça-feira, 20 de janeiro de 2015.

    Oii, tudo bem?
    Bem interessante o tema, "solidão", mas não é o tipo de livro que eu leria, pelo menos no momento…
    Bjs

    http://a-libri.blogspot.com.br

  8. quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015.

    Este comentário foi removido pelo autor.

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: