quinta-feira, 25 de dezembro de 2014


E de repente, quando a gente menos espera, o ano já acaba. Não sei pra vocês, mas essa época de festas é sempre um misto de emoções pra mim. Vamos conversar um pouco sobre ela hoje. Escolhi um poema para lermos juntos do nosso eterno poetinha, Vinícius de Moraes.

Poema de Natal

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.

Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.

Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez, de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.

Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos…
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

Serei breve, porque de textos de Natal nossa caixa de email está cheia, sem contar o whatsapp e o facebook. Natal, nem para todos, é uma data lá muito feliz, nele nós lembramos de todas as pessoas que já passaram pela nossa vida, quem já perdemos, o que acaba desanimando muito, muitos inclusive acabam nem comemorando, dormindo antes da meia noite. Também há aqueles que não acreditam nesta data, vendo no Natal uma enorme inutilidade e construção capitalista da Coca Cola. E há aqueles que contam os dias para montar as árvores e embrulhar os presentes. Não entremos nesta discussão..


Para Vinícius, esta data traz uma reflexão, fomos feitos para ter emoções, fomos feitos para sentir, para chorar, para rir, este é o ser humano. É preciso viver, independente da situação que estamos, e é preciso estar com o coração aberto. E viver não é um fardo, sentir não é um problema, porque tudo isso faz nós sermos quem somos, e vale a pena.

Independente de sua crença, e esquecendo tudo de piegas que ouvimos nestas datas, vamos viver, vamos sentir mais, vamos olhar mais, vamos abraçar mais. Que essa união que tivemos no Natal e teremos novamente no Ano Novo não seja somente mera hipocrisia, não vamos nos esquecer uns dos outros. O Viagens de Papel deseja a todos os nossos leitores, que nos acompanham tão lindamente, um 2015 cheio de livros e muitos sorrisos.


Deixe nos comentários o que achou do poema! Tem algum poema que você goste e que fale destas datas comemorativas? E se quiser, o que é o Natal para você? Vamos conversar!

Até a próxima 🙂
Ps.: você pode ouvir o poema sendo interpretado aqui, nesta cena tirada do documentário “Vinícius”.

Sobre o autor
Viagens de Papel O blog Viagens de Papel foi criado em 22 de janeiro de 2013 com o intuito de promover diálogo sobre literatura, paixão que todos os autores do projeto têm em comum. Através de resenhas, lançamentos, listas, dicas e variadas matérias, queremos que você sinta-se em casa e aprecie o conteúdo nosso conteúdo! =)


Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

  1. sábado, 27 de dezembro de 2014.

    Olá,

    Achei muito lindo o poema, mas não tenho muito costume de ler eles.
    O natal pra eu não é uma data que comemore muito, minha família nunca ligou e eu cresci assim. Quem sabe depois de casar e minha nova família gostar não pegue gosto.

    Beijos.
    Visite: Paradise Books BR // Sorteio Fim de ano

  2. quarta-feira, 31 de dezembro de 2014.

    Oi, Amanda! Fiquei muito emocionada com a escolha do poema. Não conhecia, mas achei muito bonito e realmente, como você falou, alerta para o verdadeiro espírito de Natal. Precisamos sentir mais, viver mais, prestar atenção no que realmente importa. Um ótimo 2015 para você, com muita paz, amor, saúde, felicidade e realizações! Beijos

  3. sexta-feira, 2 de janeiro de 2015.

    Oi Paula, fico muito feliz que você tenha gostado ^^
    Continue sempre visitando a gente, beijinhos!

  4. sexta-feira, 2 de janeiro de 2015.

    Oi Camila, que bom que você gostou flor ^^ eu também gosto muito desse poema
    Tudo em dobro pra você, beijinhos!

  5. sábado, 3 de janeiro de 2015.

    Adorei o poema, não conhecia e achei emocionante. Eu adoro o Natal, época boa de passar com a família, tem uma magia no ar… Feliz 2015 pra vc e que possamos viver mais, abraçar mais nesse ano que se inicia.
    Beijos!!

Comentários no Facebook