Avaliação: 4/5 Editora: Record, Cortesia ISBN: 9788501106551 Gênero: Chick-lit, Romance Publicação: 2016 Páginas: 416 Skoob

Avaliação: 3/5
Editora: Record
ISBN: 9788501402219
Gênero: Chick-lit, Romance
Publicação: 2013
Páginas: 320
Skoob

Um chick-lit narrado sob o ponto de vista masculino. Pode parecer meio esquisito, mas é o que nos apresenta O projeto Rosie, do autor australiano Graeme Simsion. Com suas 320 páginas, a obra, narrada em primeira pessoa, conta a história de Don Tillman, um homem de 39 anos com traços muito peculiares e uma rotina extremamente organizada. Geneticista, Don alcançou bastante sucesso em sua carreira, bem diferente de suas relações pessoais, já que tem bastante dificuldade de interação com outras pessoas e continua solteiro, apesar de seus esforços para encontrar uma esposa. Após muitas tentativas, ele decide que não pode deixar mais tempo passar, que essa é a hora exata de se casar. E é aí que surge o Projeto Esposa.

Bastante meticuloso e perfeccionista, ele quer alguém que combine perfeitamente com seu temperamento e sua rotina, que é milimetricamente disposta. Para cada dia da semana, por exemplo, ele tem um cardápio fixo. Às terças, é servido lagosta com salada de wasabi, já as quartas é outro prato que se repete todas as semanas. Se algo sai diferente do planejado, com apenas alguns minutos de diferença, tudo deve ser recalculado para que o resultado final seja perfeito.

Como não poderia deixar de ser diferente, Don reserva bastante espaço de seu tempo para o Projeto Esposa e dedica-se a ele como se fosse o projeto de sua vida. O projeto consiste em um enorme questionário com perguntas como: “você usa maquiagem?”, “Você costuma chegar atrasada com que frequência?”, “Você bebe?”, “Você fuma?”, etc.. Para todas, Don possui uma resposta exata e não aceita menos do que isso. Logo, o projeto que parecia perfeito, não traz bons resultados, já que a mulher perfeita de Don parece não existir.

Depois de analisar diversos questionários, Don pede ajuda de seu melhor amigo Gene, que dá aulas na mesma faculdade que ele e é um tremendo mulherengo. Quando Rosie aparece em sua porta, no trabalho, Don percebe que ela foi enviada pelo amigo e logo a convida para jantar em um restaurante bastante chique da cidade. Quando chega a hora, ela já começa mal: chegando atrasada ao primeiro encontro. E então, depois de uma confusão no restaurante, convida-se para jantar na casa de Don, que não consegue falar não. Em pouco tempo ele percebe que Rosie é exatamente o oposto do que procurava, com todas as características contrárias. Porém, mesmo assim, pretende usá-la como um treino de interação social, para quando conhecesse sua verdadeira esposa, se saísse bem nos encontros.

Junto a isso, Don encontra outra distração: Rosie estava em busca de seu pai biológico, já que a mãe, apesar de já estar namorando seu pai na época, dormiu com um colega em sua festa de formatura e, um tempo depois, nasceu Rosie. A mãe morreu e não disse nada para a filha e para o marido, que ficaram em uma grande incerteza. Depois que menciona sua história para Don, ele se oferece para ajudá-la a fazer os testes de paternidade com os possíveis pais.

A partir daí, Don dá uma pausa em seu Projeto Esposa e dá lugar ao Projeto Pai, ajudando Rosie de todas as maneiras. Junto dela, ele tem que lutar contra todo o seu jeito para acompanhar o dela, que é bem diferente e chega para mostrar a Don um mundo totalmente novo.

Apesar de ter lido muitos comentários positivos a respeito de “O Projeto Rosie” e amar o gênero chick-lit, tenho que dizer que a obra não me conquistou. Logo no começo do livro, o jeito meticuloso de Don é justificado pelo autor. Em uma palestra dada pelo geneticista, sobre a Síndrome de Asperger, é possível identificar em Don as características da síndrome. Mesmo sabendo disso, fiquei um pouco nervosa com tanta perfeição e organização (por que será? rs).

Também tive bastante dificuldade em me identificar com os personagens, que, em minha opinião, não cativam. Entretanto, foi legal ler um chick-lit focado em um personagem masculino. Acredito que o autor inovou nesse aspecto e também criou um enredo bastante criativo. A lição que o livro passa também é bem bacana. Não existe o par perfeito. Ninguém é ideal, todos temos os nossos defeitos. O que temos que fazer é aceitar o outro do jeito que é e aprender a viver com as diferenças, sempre sob a perspectiva de ver o mundo de outra maneira!

A edição, feita pela Record, está uma graça. A capa combina com a leveza da história e traz elementos que são vivenciados pelos personagens ao longo do livro. Não me lembro de ter encontrado erros e a diagramação, apesar de não ter nada demais, é limpa e garante uma boa leitura. Recomendo O Projeto Rosie para alguém que procura uma leitura rápida e leve!

Sobre o autor
Camila Tebet Camila Tebet, 22 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Lê de tudo um pouco, mas os gêneros de que mais gosta são os romances românticos e chick-lit. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

  1. quinta-feira, 18 de dezembro de 2014.

    Oie,

    Sempre vi esse livro e nunca tive grande interesse nele. Não sabia que era um chick-lit na perspectiva de um homem, deve ser bem interessante acompanhar essa história. Uma pena que teve alguma dificuldade de se conectar com os personagens, mas acho que ainda arriscarei a leitura.

    Beijos.

  2. sexta-feira, 19 de dezembro de 2014.

    Oii!
    Sempre achei essa capa bonita e adorei saber do que se trata agora 🙂
    Adorei a resenha, fiquei muito curiosa e preciso ler esse livro, mesmo! Acho que é o que eu preciso por esses dias *-*
    beijoss
    Sublimar-me

  3. sexta-feira, 2 de janeiro de 2015.

    Tenho esse livro em casa, mas nunca tive interesse em lê-lo. Não sabia muito sobre do que se tratava a história e mesmo agora depois de ler a resenha ainda não consegui me interessar pela história. Acho que ele ainda vai passar um bom tempo na estante…

    Beijos!!

  4. segunda-feira, 5 de janeiro de 2015.

    Paula, talvez você goste mais do que eu 🙂 Depois me conte o que achou da leitura. O fato de ser narrado por um homem torna o livro bem diferente de outros do estilo. Beijos!

  5. segunda-feira, 5 de janeiro de 2015.

    Oi, Bruna! Obrigada! Espero que você goste da leitura 🙂 Depois me conte o que achou. Beijos!

  6. segunda-feira, 5 de janeiro de 2015.

    Acho que tudo é questão de momento, Érika. Se você não sente vontade de lê-lo agora, deixe-o por lá. Talvez você se surpreenda quando for ler 🙂 Beijos!

  7. quinta-feira, 6 de outubro de 2016.

    Ahhh gostei da história, já estou acostumada e me interesso por esse tipo de enredo, mais uma para minha longa lista de futuras leituras.

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: