Avaliação: 3/5
Editora: Novas Páginas, Cortesia
ISBN: 9788581635040
Gênero: Romance
Publicação: 2014
Páginas: 192
Skoob

A máquina de contar histórias, de Maurício Gomyde, conta-nos a história de Vinícius Becker que é o escritor brasileiro de maior destaque no país. Após nove livros lançados, tem muito sucesso, dinheiro, fãs pelo mundo inteiro e, a cada nova história, recebe inúmeras críticas positivas e se supera como escritor. É pai de duas meninas e tem uma mulher muito companheira, que esteve a seu lado em momentos bons e ruins. Teria tudo para ser o homem mais feliz do mundo, mas não é.

Em uma viagem a trabalho, após a festa de lançamento de seu último livro, ele recebe uma ligação que mudará toda a sua vida. Descobre que sua esposa, Viviana, após quatro anos lutando contra uma feroz leucemia, não resistiu. Quando volta para casa tem um choque ao ver o quanto se distanciou de sua família durante o tempo em que ela mais precisava de apoio e união e se entristece ao perceber que não se despediu da mulher de sua vida. Também percebe que não conhece quase nada da vida de suas filhas Valentina, de 16 anos, e Vida, de 4 anos.

Disposto a apagar os erros do passado e a reconstruir a sua relação Valentina e Vida, Vinícius desmarca todos os seus compromissos de trabalho e decide dar um tempo à meticulosa rotina que todos os dias, durante anos, realizou. Porém, sua filha Viviana não está disposta a deixá-lo esquecer de quão egoísta ele foi e que as deixou de lado quando elas mais precisavam para cuidar de sua carreira e de seu sucesso. O fato de escrever histórias perfeitas, que emocionam pessoas de todos os cantos do mundo, e afirmar que busca inspiração no dia a dia de sua família, é ainda pior, já que é bem diferente do que o que realmente acontece na família V. Agora, por conta das incontáveis viagens, das festas e de todo o distanciamento, Vinícius tem que encontrar uma maneira de reverter a situação, fazer com que as filhas percebam todo o amor que sente por elas e sentia por Viviana e buscar novamente seu lugar na família.

Minhas expectativas para A máquina de contar histórias eram bastante altas. Além dos muitos comentários positivos que vi sobre o livro, no momento em que bati o olho na capa, me encantei. Todos os elementos dispostos, como a máquina de escrever, a roda gigante e o sorvete, têm sua importância na história. Mas é só lendo para entender. Apesar de ter gostado do livro, tenho também algumas ressalvas.

No começo eu estava achando tudo um pouco forçado. Os diálogos, o enredo, a forma como o autor estava desenvolvendo a trama. Não estava convencida. A construção dos personagens contribuiu um pouco para isso. Todos têm a sua relevância, mas poderiam ter sido mais bem desenvolvidos, principalmente os membros da família. Alguns mudam de opinião muito rapidamente, não há muita veraciade, o que traz consequências negativas para a história.

Porém, não posso negar que é muito difícil largar o livro. Só fiquei tranquila quando enfim terminei de lê-lo. Ao longo da leitura, minhas impressões sobre o rumo da história foram mudando. Pode não ser a trama mais criativa de todas, mas o autor soube lidar com isso e colocou sua própria marca na história, deixando-a única. Gomyde escreve com muita sensibilidade e tem o poder de emocionar o leitor. A impressão que dá é que ele realmente escreve com paixão, e não há algo melhor do que ter essa sensação. Embora com poucas páginas, o livro traz um final bastante satisfatório, que pode surpreender em alguns aspectos. A conclusão é o ápice da história, o que fecha o livro com chave de ouro, entrelaçando alguns pontos da história e explicando para o leitor que cada pequeno detalhe teve sua importância para o desenrolar da trama. O autor costura todos os elementos de forma excepcional.

“- A gente não aprende lendo, aprende vivendo. E a vida, por mais que uma quantidade enorme de pessoas acredite nisso, não é feita de métodos, fórmulas, dicas ou listas de recomendações. Ela é feita de sentimentos pelas pessoas que estão ao lado, ou por aquelas que estão longe, mas que, só por pensarem na gente, já fazem toda a diferença.”

“- Não há maior dor do que a de nos recordarmos dos dias felizes quando estamos na miséria – Vinícius recitou e olhou para Valentina. – Dante Alighieri. Sabia tudo e um pouco mais sobre a alma humana.”

Sobre o autor
Camila Tebet Camila Tebet, 22 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Lê de tudo um pouco, mas os gêneros de que mais gosta são os romances românticos e chick-lit. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

  1. quarta-feira, 3 de dezembro de 2014.

    Oi, Camila.
    Sempre vi elogios sobre esse livro e ainda sim nunca me animei para ler. Me incomoda muito a contradição entre o personagem lutar para mostrar seus sentimentos pela sua familia e a forma como ele os abandonou antes da morte da esposa. Entendo que isso será abordado/explicado no livro, mas ainda sim não tive vontade.

    Beijos.
    Blog Cantar Em Verso

  2. quinta-feira, 4 de dezembro de 2014.

    Olá Camila,
    caramba, foi o que eu pensei quando li os nomes: só V nessa família, haha'.
    Eu também me encantei na primeira vez que olhei a capa, mas não sabia que cada desenho tinha uma importância na história, achei que era só pra enfeitar e deixar a capa mais bonitinha…
    Eu sempre tive vontade de ler esse livro, que bom que você gostou do final, isso me anima ainda mais.
    E adorei esse último quote :3
    Beijos

  3. sábado, 6 de dezembro de 2014.

    Olá,

    Li algumas resenhas bem positivas desse livro, na verdade não me lembro de nenhuma negativa. Deve ser uma história bem bonita a dessa família. Gosto de ler livros nacionais e com certeza assim que for comprar algum livro este estará entre eles.

    Paradise Books BR

    Beijos.

  4. domingo, 7 de dezembro de 2014.

    Eu te entendo, Silviane. Como eu falei na resenha, o começo estava bem forçado e também me incomodei com isso… demorei até acreditar na história. Acho que isso prejudicou bastante a obra. Beijos!

  5. domingo, 7 de dezembro de 2014.

    Vanessa, a própria família se denomina família V haha Essa capa é linda demais e depois que eu descobri o significado de cada coisa achei ainda mais maravilhosa! Acho que você vai gostar 😉 E ah, o livro é cheio de quotes bonitas. Beijos!

  6. domingo, 7 de dezembro de 2014.

    Paula, foi uma bela estreia do autor com a editora Novo Conceito. Vale a pena! Agora quero ir atrás de seus livros independentes e ver o que acho das outras histórias 😉 Beijos!

  7. sexta-feira, 12 de dezembro de 2014.

    Olá!
    A cada comentário e resenha que vejo sobre esse livro me sinto mais animada para lê-lo, além do mais adorei essa capa 😀 Quem não adorou né?
    Beijo, estou seguindo~
    Choque Literário

  8. sábado, 3 de janeiro de 2015.

    Eu gostei muito desse livro. A capa é realmente muito linda e quando vc entende o significado de cada elemento na história, ela se torna ainda mais bela! O começo também não me convenceu muito, mas com o desenrolar da história é impossível não se apaixonar e se emocionar junto com a família V. Um dos melhores livros nacionais que li ano passado!

    Beijos!!

  9. segunda-feira, 5 de janeiro de 2015.

    Luiza, depois que realizar a leitura venha me contar o que achou! 🙂 A capa é realmente maravilhosa. O mais legal é que ela combina perfeitamente com a história. Beijos!

  10. segunda-feira, 5 de janeiro de 2015.

    Érika, realmente, a história demora para convencer, mas depois se torna encantadora. Adorei ter conhecido o autor em 2014. Estou curiosa para ler outras obras. Beijos!

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: