Avaliação: 4/5 Editora: Arqueiro, Cortesia ISBN: 9788580413212 Gênero: Romance de época, Romance Publicação: 2014 Páginas: 288 Skoob

Avaliação: 4/5
Editora: Arqueiro, Cortesia
Gênero: Romance de época, Romance
ISBN: 9788580413212
Publicação: 2014
Páginas: 288
Skoob

Quem gosta de romances de época vai adorar o novo lançamento da Editora Arqueiro: Ligeiramente Casados. O livro, da autora Mary Balogh, faz parte de uma série de seis volumes, mas, como em outras séries do gênero da editora, traz histórias com começo, meio e fim. Esta obra nos apresenta Eve Morris. Após a morte do pai e a ida do irmão para o exército, ela precisa cuidar sozinha da fazenda da família. Além de administrar a propriedade, Eve abriga em sua casa diversas pessoas consideradas “incapazes” e rejeitadas pela sociedade, que não teriam para onde ir se não fosse a chance dada por ela.

Antes de morrer, o pai de Eve tinha o desejo de ver a filha casada. Para isso, apresentou diversos pretendentes a ela, que rejeitou um por um. Até depois de sua morte o pai insistiu nisso. Se não estivesse casada em um ano, a propriedade seria tirada do nome dela e passada para o irmão Percival. Cinco dias antes de Percy herdar o Solar Ringwood, conforme o acordo estabelecido pelo pai, Eve recebe em sua casa o coronel lorde Aidan Bedwyn, que tem a triste tarefa de informar a ela que Percy, seu subordinado, havia morrido em batalha.

Antes de morrer, o capitão Percival fez um último pedido ao coronel Bedwyn: que desse a notícia à sua irmã e que a protegesse, não importando o que fosse preciso. Depois de chegar em Ringwood e transmitir a notícia à Eve, Bedwyn fica sabendo do acordo que faria com que ela perdesse a sua casa em poucos dias para o terrível primo Cecil. Além de ficar sem um lugar para morar, ela ainda deixaria muitas pessoas, inclusive seus dois filhos adotivos, na rua.

Conhecido pela sua honra e pelo seu senso de dever, o coronel faz uma proposta à Eve. Se ela se casasse com ele dentro do prazo estipulado, ainda teria a sua propriedade e nunca mais precisaria se preocupar com a questão. Além disso, ele também cumpriria a promessa que fez à Percy. Depois da celebração, os dois seguiriam seus caminhos e nunca mais tornariam a se ver. Parecia a solução perfeita para ambos e é essa a ideia que seguem adiante e que dá início ao livro.

Apesar de amar romances de época, achei o começo desse livro um pouco enrolado. Até a história começar de fato a se desenvolver, até a metade do livro, mais ou menos, as páginas são arrastadas. Demorei para me envolver com a história, que começa a melhorar quando Eve e Aidan são forçados a se reencontrar. Depois disso, confesso que foi só amor. A autora construiu um enredo que passa veracidade e não causa estranhamento. Além disso, um dos pontos fortes é que o romance vai se desenvolvendo aos poucos, de maneira plausível, conforme os personagens principais passam a se conhecer melhor.

Eve e Aidan são encantadores. Ela, filha de um mineiro que batalhou para construir sua fortuna, é constantemente julgada pela sociedade por suas origens. Além disso, também é julgada por abrigar em sua casa a “corja” da população. Bastante generosa e altruísta, ela não realiza julgamentos e preza pela igualdade, dando uma chance a todos os renegados. Também tem um senso de dever muito forte, colocando as necessidades dos outros acima de seus desejos. O mesmo senso de dever se encontra em Aidan, que é marcado também pela honra. Determinado, assim que toma qualquer decisão ele não volta atrás. Um exemplo é o seu próprio casamento. Mesmo não tendo envolvimento pessoal com a esposa, ele sempre a considerou como sua mulher e sempre a defendeu.

A família Bedwyn também é apresentada no livro. Conhecemos um pouquinho dos irmãos e percebemos que eles colocam a família acima de tudo. Apesar de ser um valor muito nobre, também é possível perceber que eles possuem alguns defeitos, como o esnobismo e a indiferença, detectados em um primeiro momento, logo que são introduzidos na história.

“Parte da água que escorria pela face de Eve tornou-se morna. Ela secou o rosto e abaixou mais o capuz. Poderia, caso se permitisse tamanha indulgência, chorar e chorar até se sentir fraca e vazia. Pela perda de um homem honrado que jamais tornaria a ver, embora ele fosse para sempre seu marido. Pela perda do amor e homem que não voltara para ela a tempo. Pelo irmão, cuja morte ela mal tivera chance de lamentar. Por um futuro que parecia assustadoramente vazio.”

Apesar de achar que eu não iria me conectar com o enredo e os personagens, Ligeiramente Casados me surpreendeu e fez com que, nos capítulos finais, eu desejasse que não terminasse tão depressa. Porém, depois de um tempo fica quase impossível deixar Eve e Aidan de lado e não correr para saber o fim da história. Mesmo que tenha muitos clichês – alguns essenciais para o desenrolar da trama -, o romance é encantador. Terminei desejando os outros livros da série (o próximo falará sobre Rannulf Bedwyn) e realmente espero que os próximos volumes retomem um pouquinho desse primeiro casal, de quem sentirei falta.

” – Uma coisa sobre os Bedwyns – falou Aidan – é que não amam facilmente, mas quando amam é com muita intensidade.”

Sobre o autor
Camila Tebet
Camila Tebet

Camila Tebet, 24 anos (05/06) – Paraná
Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Entre os seus livros favoritos estão “Harry Potter” (é claro), “Na Natureza Selvagem”, “Orgulho e Preconceito” e “A Menina Que Roubava Livros”. Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.



Deixe uma resposta

  1. segunda-feira, 17 de novembro de 2014.

    Olá,

    Tenho lido bastante resenha positiva de Ligeiramente Casados da Arqueiro. Ela está nessa fase de romances de épocas. Confesso que não tive a oportunidade de ler nenhum, mas interesse eu tenho. Talvez comece por esse livro. Eve e Aidan como você disse é um lindo casal. Uma pena que o começo do livro um pouco confuso, mas mesmo assim não perdi o interesse. o//

    Visite: http://paradisebooksbr.blogspot.com.br/

    Beijos.

  2. segunda-feira, 17 de novembro de 2014.

    Olá Camila,
    nunca tive vontade de ler esse livro, mesmo sendo um romance e mesmo com tantas resenhas e comentários positivos sobre ele. Confesso que fiquei com um pouco de dó de Eve… Primeiro, ela tem que casar ou a propriedade passa para o irmão. Segundo, Percy morre em batalha. Depois, Bedwyn tem que proteger Eve a todo custo. E por último, pode perder a casa para o primo. Só pressão pra cima dessa mulher u.u
    Você achou o começo do livro um pouco enrolado, então tenho receio de que isso também aconteça comigo. Por enquanto é melhor não compra-lo… Mas sua resenha ficou ótima! 😉
    Beijos :*

  3. terça-feira, 18 de novembro de 2014.

    Vou confessar que estou adorando essa fase da Arqueiro. É tanto livro amor <3 Apesar de ter gostado muito desse, ainda prefiro a série Os Bridgertons. Já foram publicados quatro livros aqui no Brasil (tem resenha no blog, se quiser dar uma olhada) e um é mais cativante que o outro. Ainda assim, também vale acompanhar a série d'Os Bedwyns. o Beijos!

  4. terça-feira, 18 de novembro de 2014.

    Olha… dá dó mesmo da Eve haha É um sofrimento atrás do outro, mas nem por isso ela é uma personagem fraca ou vulnerável. Pelo contrário, ela é muito forte e tem uma opinião bem formada, além de não se deixar abater por ninguém. Eu achei o começo um pouco arrastado sim, mas isso é bem relativo, talvez você devore a história em pouquíssimo tempo 🙂 Qualquer coisa, dê uma olhada em outras resenhas também. Muito obrigada pelo comentário! Beijos

  5. segunda-feira, 24 de novembro de 2014.

    Oii Camila.
    Sim, eu amo romances, e sendo de época então é bem melhor, eles tendem a serem bem mais bonito. Quando li a sinopse eu achei o livro bem clichê, e pelo que eu vi ele realmente tem seu lado clichê, mas isso não me impediu de desejar loucamente o livro. A história é linda, e eu me encantei. Sério que a autora dá essa enrolada no começo do livro? Você é a primeira pessoa que vejo falando isso, todos os comentários que eu vi foram super positivos! Bem, nem isso tirou meu interesse pelo livro, aliás, já to ansiosa pelos outros da série, e espero que a editora continue investindo em romances de época 🙂
    Beijos :*

  6. terça-feira, 25 de novembro de 2014.

    Pelo seu comentário, acho que você vai adorar o livro! O livro tem seus momentos clichês, mas isso não é necessariamente uma coisa ruim. A história continua sendo linda rs As experiências de leitura variam de leitor para leitor, né. Pode ser que você pegue o livro e devore em uma sentada. Infelizmente, até a metade achei tudo um pouco parado, demora para o romance se desenrolar. Isso me cansou um pouco, mas depois melhora bastante. Depois que ler, vem me contar o que achou 😀 Beijos!

  7. sábado, 29 de novembro de 2014.

    Quando a Arqueiro lançou fiquei doida para ler Ligeiramente Casados, porque como fã declarada de romances de época, teria que ler esse livro. Uma coisa que me incomodou um pouco, foi o fato de ter clichês [mesmo você dizendo que é essencial para a história e tudo mais], mas deve ter outros jeitos de desenrolar a história sem ser clichê, sei lá. Mas mesmo assim, estou com pressentimento que vou curtir o livro e os clichês não vão me incomodar muito, vai dar para superar hehe

  8. domingo, 30 de novembro de 2014.

    Eu já acho o mote da história um super clichê haha Casamento de conveniência já vi em diversos outros livros… Mesmo assim, a maioria dos livros desse gênero trazem alguns clichês, então não me incomodei muito não. No fim, a autora soube desenvolver bem a história e criou personagens bem cativantes. Acho que você vai gostar 😀

  9. segunda-feira, 1 de dezembro de 2014.

    Confesso que não sou chegado a esses romances… =/
    então eu não tenho interesse nessa série, gosto de outros estilos de livros, claro que de vez em quando procuro ler algo diferente,mas enfim pelo que tenho visto essas séries têm conquistado muita gente, pra quem gosta é um prato cheio.

  10. segunda-feira, 1 de dezembro de 2014.

    Oi, Camila.
    Eu não sou fã de romance de época, mas esse me deixou um pouco curiosa. Acho que pela forma como o relacionamento entre o casal acontece, sem desespero ou ansiedade. Acredito que a maioria dos romances de época são assim, justamente por se tratar de uma época tão diferente da nossa, mas ainda sim esse me deu a impressão de ter alguns pontos mais interessantes.
    Gosto de personagens como a Eve, e gosto mais ainda de casais como Eve e Aidam. Espero poder ler esse livro em breve.

    Beijos.
    Blog Cantar Em Verso

  11. domingo, 7 de dezembro de 2014.

    É, realmente quem não gosta desse estilo nem adianta tentar. Mas, como você apontou, quem adora um bom romance vai gostar bastante. A editora Arqueiro tem lançado diversas séries assim o

  12. domingo, 7 de dezembro de 2014.

    Silviane, realmente é um romance bem construído, em que o encantamento vai acontecendo aos poucos. Ponto positivo para a autora! O livro também traz pra pertinho da gente um pouco dos costumes da época, o que é bem legal. Boa leitura 😉 Beijos!

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: