terça-feira, 28 de outubro de 2014

Avaliação: 5/5
Editora: Suma de Letras
ISBN: 9788581052144
Gênero: Terror
Publicação: 2014
Páginas: 326
Skoob

Louca Obsessão

Misery foi escrito pelo mestre do terror Stephen King e publicado pela primeira vez em em 1987, sendo adaptado para o cinema três anos depois, em 1990. Além desse livro, o autor ainda é dono de vários outros títulos conhecidos, como “À espera de um milagre” (adaptado para o cinema com Tom Hanks), “Sob a Redoma” (adaptado como uma série em 2014), a série “Torre Negra”, e outros 35 livros, destes, mais de 20 adaptados para o cinema.

Ok, vamos lá. O livro Misery é simplesmente “A CARA” do Stephen King. Pra quem não sabe, ele é conhecido como o rei do horror. Muitos de seus livros deram motivos pra adolescentes de 12 a 15 anos chorarem embaixo das cobertas, enquanto liam seus livros com uma lanterna na mão. Há muitos títulos que poderiam justificar essa minha afirmação, mas acho que um dos mais conhecidos deve ser do “O Iluminado”. Ele simplesmente tem o dom de escrever livros de terror, e com Misery não foi diferente – não que eu tenha ficado com medo, é claro. Para dizer a verdade, mesmo classificando Misery como horror, acho que o livro não chega perto de outros livros do autor. De qualquer forma, vamos ao que interessa.

O livro conta a história do escritor Paul Sheldon, um autor famoso que escreve uma série que tem como personagem principal Misery Chastain (acho que é esse o sobrenome). O livro começa com Paul em coma, acordando aos poucos, ouvindo barulhos de alguém dizendo que é “sua fã número um”. É engraçado, o primeiro capítulo do livro tem 4 linhas, com palavras embaralhadas, demonstrando que Paul realmente estava semiconsciente. Essa característica, aliás, é uma das mais marcantes do Stephen. Ele consegue narrar suas histórias de uma maneira tão onisciente – em 3ª pessoa, com o narrador conhecendo todos os sentimentos das personagens, confundindo várias vezes o leitor se é o narrador ou o personagem que está narrando -, que usar dessas artimanhas em suas obras não é motivo nenhum para confusão.

De qualquer maneira, como eu ia dizendo, Paul acorda aos poucos do seu estado de semiconsciência, e se vê em um lugar que nunca tinha estado antes. Com o passar dos minutos, ele vai se lembrando de tudo que aconteceu. Ele se lembra, ainda no início, que tinha batido o carro e que tinha ficado desacordado. É mais ou menos nessa hora que ele sente uma dor insuportável e olha dentro do lençol, e TCHAM TCHAM! Stephen King chega para nos dizer: FOI EU QUE ESCREVI ESSE LIVRO. Quando Paul olha no cobertor, vê suas duas pernas quebradas – provavelmente com fraturas expostas -, com pus e todas as coisas horríveis que acontece com o corpo humano quando um ferimento desse tipo acontece – você sabe do que estou falando.

Angustiado e com dor, Paul volta ao estado em que estava. Acordando e entrando em “coma” por várias e várias vezes, até o momento em que ele vê Annie Wilkes, a mulher que o “resgatou” do acidente. Paul não sabia, ainda, que ela era a mulher mais louca da face da terra. A mulher que só sabe falar meleca. Sua fã número um.

O que aconteceu, na verdade, é que essa mulher o mantinha “preso” na casa dela, enquanto ela lia o terceiro e último livro da série de Misery – ela não sabia, ainda, que aquele era o último livro, e que Misery morria no final. Logo nos primeiros momentos em que Paul esteve acordado, ele reclamou de sede e, adivinhem o que ela fez? – Outra vez o Stephen veio dizer que aquilo era de sua autoria.-  Ela deu pra ele a água do balde que estava lavando a casa. Isso mesmo, aquela água que deve ser gosmenta e grudenta. Quando ele estava narrando, Paul conta que sentiu aquela água grudar na sua boca, a água que não era transparente, era colorida, com sabão no topo.

Vale dizer que Paul não sabia quem Annie era, mas suspeitava que ela era uma enfermeira aposentada, porque ela cuidava dele metodicamente com um remédio chamado Novril – e não, esse remédio não existe. O que acontece é que esse Novril dava muito sono no nosso querido Paul, mas também o aliviava da dor de uma forma indescritível.

Quando Annie terminou de ler o terceiro livro da série, a série que ela mais amava, a série que fez ela ser a fã número um de Paul, ela fica revoltadíssima. Louca. Obsessiva. Paranoica. Tudo o que você quiser dizer, em relação à loucura, pode classifica-la naquele momento. Logo depois de ela terminar o livro, ela chega com uma churrasqueira no quarto em que ela o mantinha “preso” – porque na verdade preso não é a palavra certa, o próprio corpo dele o prendia, ele estava com fratura exposta, poxa. O menor movimento fazia com que ele urrasse de dor. Bom, depois de ela ler e levar a churrasqueira pro quarto, ela fez ele queimar o único manuscrito que ele tinha do seu novo romance, um romance que não tinha nada a ver com a série de Misery. Dá pra você sentir a dor no coração do Paul quando ele queima o livro. Ele escrevia no modo tradicional, ou seja, em uma máquina de escrever e, por isso, tinha só um original de seu livro, carros velozes. Ela fez ele queimar aquele livro, dizendo que era para o bem dele. Ela dizia constante que o amava, e, a partir de um momento do livro, ele passa a responder que sabia daquilo, só pra manter as coisas mais calmas.

É um pouco depois dessa parte que ela o obriga a escrever o quarto livro da série Misery. Segundo ela, era para o próprio dele, porque ele não conseguia ver o que era melhor pra si mesmo. Sem saída, é isso que ele começou a fazer.

O livro continua a se desenrolar mais ou menos assim. Stephen King, com a característica inovadora de sempre, escreve um livro dentro de um livro. Isso mesmo, à medida que Paul vai escrevendo Misery, ele vai colocando os capítulos que Paul escrevia no próprio livro. Ele não coloca tudo, é claro, porque depois de um tempo as coisas começam a ficar feias entre Paul e Annie, a louca.

Pra terminar, vou contar uma passagem, que não vai ser spoiler, prometo. Certa vez, Annie saiu da casa e não voltou por dias. Nessa vez, Paul conseguiu escapar do quarto e roubar várias caixas de remédio. Essa primeira saída deu origem à várias outras e, quando Annie descobriu, o bicho pegou. E pegou mesmo. O livro estava começando a ficar um pouquinho cansativo, quando mais ou menos na página 200, a Annie amputou o pé do Paul – com ele acordado -, por ele ter saído do quarto. Isso mesmo. E o Stephen King – outra vez aparecendo pra falar que foi que ele escreveu aquele livro – conta em detalhes o que Paul sentiu quanto Annie amputou seu pé. Conta como foi o barulho do seu osso quebrando. Como foi a última machadada, a machadada que só serviu para rasgar o último pedacinho da sua pele.

Enfim, é um livro bom, de horror, que provavelmente todos os fãs do vovô King vão amar. Tem umas partes que são muito legais, porque Stephen nos conta como ele – o próprio Stephen King – escreve um livro. Pra quem ainda não viu entrevistas dele falando sobre isso, vai ser legal ler o livro também. O Stephen tem uma característica única de escrever romances. Ele não sabe como vai ser o final, nunca, porque, segundo ele, que graça teria se ele escrevesse algo que já soubesse o fim?

De qualquer forma, indico pra aqueles que gostam de uma narrativa de qualidade, com uma forma de escrever que muitos escritores devem invejar. A história é boa, e original, e eu adorei fazer parte dessa aventura!

Por Caio

Sobre o autor
Patrícia Oliveira Patrícia Oliveira, 25 anos (07/01) – São José/SC. Acadêmica de Direito, leitora assídua e blogueira. Lê de tudo um pouco, seus gêneros literários favoritos são romance histórico, época e contemporâneo, thriller psicológico, fantasia épica e clássicos. Sempre cultivou a ideia de criar um blog, onde pudesse compartilhar sua opinião. Quando não está fazendo tarefas cotidianas, geralmente está divertindo-se na companhia de seus bichos de estimação. Curte séries, filmes de comédia romântica e animes, mas sua grande paixão é a literatura.


Deixe uma resposta

  1. terça-feira, 28 de outubro de 2014.

    Morro de vontade de ler algo de King, mas nunca tive oportunidade!
    Sua resenha foi bem descritiva e com certeza deu vontade de ler
    Beijinhos
    Rizia – Livroterapias

  2. terça-feira, 28 de outubro de 2014.

    Nossa, adorei essa resenha e fiquei muito interessada em ler algo do Stephen King. Na verdade, eu já estava com essa vontade há tempo, mas sempre batia um medinho… hehehe.

    leitoresforever.blogspot.com.br

  3. quinta-feira, 30 de outubro de 2014.

    Com certeza você não irá se arrepender de ler! Obrigado por deixar seu comentário!

  4. quinta-feira, 30 de outubro de 2014.

    Comigo também foi assim! Até o dia em que li À Espera de Um Milagre, um dos melhores livros que já li! Esperamos que tenha a oportunidade de ler os livros de um autor espetacular como o Stephen King!

  5. domingo, 2 de novembro de 2014.

    Pela resenha já deu pra ver que é um livro bem angustiante, e que com certeza vale a pena! Só li um livro de King até hoje, mas quero ler outros o mais rápido possível!

    http://maisumapaginalivros.blogspot.com/
    Mais Uma Página

  6. segunda-feira, 3 de novembro de 2014.

    Olá Michelly. Primeiramente, obrigado por deixar seu comentário.
    O livro é realmente muito bom, e o Stephen consegue, da maneira que só ele sabe fazer, fazer com que nós fiquemos angustiados pelo Paul, nos passando todo seu sentimento de impotência em relação àquela mulher maluca, a Annie Walkies, sua fã número um! 🙂

  7. segunda-feira, 3 de novembro de 2014.

    Eu li apenas um livro do King até hoje e espero ler outros, já estou quebrando o cofrinho para comprar alguns na Black Friday.
    Arrisquei e fui assistir o filme e fiquei muitos momentos arrepiada e com agonia por causa do que o personagem passa. Segundo o seu relato o livro parece ser mil vezes pior; Já que no filme ele (pelo menos) não tem o pé amputado (ela apenas quebra, naaaada demais hahahaha).
    Foi uma pena ler esse spoiler antes de ler (ah, eu acho spoiler desculpa kkk)

    O que eu mais gostei do King é forma como ele nos da detalhes dos acontecimentos, ambiente e pessoas que até hoje eu não vi nenhum outro autor dando. Pelo menos dos livros que eu já li. E assim como voce diz, ele nos conduz para a história… e nos confunde em relação ao narrador x personagem x leitor. Acho isso genial.

    Blog:
    Cantar Em Verso . Fbook Cantar em Verso

  8. quarta-feira, 5 de novembro de 2014.

    Eita, me desculpe. Hahahaha. Pra quem viu o filme primeiro do que livro, realmente foi spoiler. Mas te indico a ler o livro mesmo assim, porque acontecem coisas mais interessantes… se é que você me entende. Hahaha
    E realmente, ele é genial.
    Rei.

  9. quinta-feira, 6 de novembro de 2014.

    Adoro Stephen King, ja li O iluminado, e tbm acho que é um classico dele, ja li tbm Sob a redoma, A dança da morte e zona morta, todos são incriveis, ele tem o dom de escrever e te prender na historia, ja sou fã dele e quero demais ler esse livro, ja tinha ouvido falar que era de uma tal louca fã que prendia o escritor, acho que nesse livro ele deixa de lado o sobrenatural né, como tem no O iluminado e nos outros que citei, esse mexe mais com o ser humano, os limites, as loucuras, enfim, ja quero esse livro.

  10. sexta-feira, 7 de novembro de 2014.

    Oi, Caio.

    Eu estou na frente do note com cara de nojo e poucos amigos depois de ler a sua resenha. Eu nunca li nada do King, e depois da sua resenha com certeza não irei ler. Não por ele, mas pelo gênero que ele escreve. Esses dias até tinha pensado em comprar algum livro dele. Eu realmente mergulho nos livros que leio e pensar nessas imagens que você citou no livro me deixou enojada e fico imaginando se eu estivesse lendo o livro. Como a Silviane mencionou em cima, essa parte de cortar o pé realmente foi um baita spoiler, acho que essa parte deve marcar muito o leitor e meio que ele já sabe que a doida vai arrancar o pé de Paul.
    Não teria estômago pra ler esse livro, mas parabéns pela resenha.

    Visite: http://paradisebooksbr.blogspot.com.br/

    Até mais.

  11. domingo, 9 de novembro de 2014.

    Novamente, peço desculpas por esse spoiler, mas repito, isso é o começo do desenrolar da história, e não compromete em nada no que se relaciona ao seu final.
    Sobre o Stephen; talvez ele seja um dos autores mais ecléticos da atualidade, caso você escolha três livros dele ao caso, é provável que você pegue uma aventura, um terror e um romance. Ele é genial, assim como seus livros. Caso não goste de terror ou horror, sugiro que leia À Espera de Um Milagre ou Quatro Estações. O primeiro, foi adaptado para o cinema com Tom Hanks, e tenho certeza que você já ouviu falar. O último, foi adaptado com Morgan Freeman, e chama-se Um Sonho de Liberdade, um dos melhores filmes (de aventura, drama e trama) que já vi em minha vida.
    Vale dizer que ele também escreve fantasia, como na série Torre Negra.
    De qualquer forma, obrigado pelo comentário.

  12. domingo, 9 de novembro de 2014.

    Faço de suas, as minhas palavras. Tenho certeza que você, como fã do King, vai se deliciar com a história e até mesmo rir da protagonista Annie Walkies; ela é louca e só fala meleca (você vai entender porque estou escrevendo meleca)
    Obrigado por deixar seu comentário!
    Espero que se divirta!

  13. terça-feira, 11 de novembro de 2014.

    Olha eu aqui de novo.
    Fiquei feliz em saber que se quiser me aventurar a ler algo do King posso sem me preocupar muito. Já ouvi mesmo falar de A espera de um milagre, acho que já até devo ter assistido. Irei anotar os nomes aqui e depois pesquisar. Torre negra tem vários livros, sempre vejo o box no submarino. Mas o Stephen King é mais conhecido pelos livros de terror ou não?

    Até mais.

  14. quarta-feira, 12 de novembro de 2014.

    Olá 🙂
    Nossa, o que eu mais vi em blogs no Halloween que passou, foi indicação dos livros do Stephen King. Sou doida por um livro do mestre do horror, mas todos os que encontrei não derem pro meu bolso :/
    Eu não consigo ver filmes de terror pelo medo, mas livros sim. Minha vontade é imensa de conhecer a escrita de King por esse motivo, não acho que vou chorar embaixo das cobertas, haha, mas creio que vou gostar bastante.
    Lendo sua resenha, já me impressionei com algumas coisas: primeiro capítulo com 4 linhas, um livro dentro de um livro, pernas quebradas e pé amputado? Caramba (não que isso dê medo, eu considerei mais como um suspense, e isso é tudo de bom em um livro).
    Um pouco desagradável o fato de que eu estava comendo enquanto lia a parte da água suja grudar na boca de Paul '-'. Que tipo de fã número um é essa? A mulher mais louca da face da terra, certeza.
    Não consigo imaginar como é o final desse livro, curiosidade bateu aqui u.u
    Adorei a resenha, bjo :*

  15. quinta-feira, 13 de novembro de 2014.

    Olá novamente Paula! Anote sim, porque À Espera de Um Milagre e Quatro Estações são livros maravilhosos! Não há terror, por isso indico a você. O Stephen se inspirou bastante no J. R. R. Tolkien pra escrever a série Torre Negra. No fim do livro À Espera de Um Milagre, ele escreve um pouquinho dele. Acho que vai gostar.
    De qualquer forma… Sim. Ele é mais conhecido pelos livros de terror.

  16. quinta-feira, 13 de novembro de 2014.

    Hahahahahaha, amei seu comentário. Muito produtivo. Espero que leia muitos livros dele ainda! Você vai se apaixonar pelo modo como ele escreve e, como eu já disse em alguns comentários dessa resenha, se você não gostar de terror, leia outros títulos do autor.
    Ele é muito original, muito confiante. Me lembra Machado de Assis nesses aspectos, como por exemplo, no primeiro capítulo com 4 linhas. Machado escreveu livros com 150 capítulos, alguns deles sem linha nenhuma, apenas o título!
    Fiquei feliz por ter ficado curiosa. Ahahahaha
    Obrigado pelo comentário.

  17. segunda-feira, 24 de novembro de 2014.

    Oii Caio!
    Bem, não me mate, mas acredita que eu ainda não tive a oportunidade de ler nenhum livro do Stephen? As adaptações eu já assisti algumas, mas fico morrendo de medo .. Olha, li sua resenha com uma empolgação que você nem imagina, eu fiquei fascinada com cada detalhe que você contou do livro, e fiquei super empolgada pra ler. Confesso que só não comprei nenhum livro do autor até agora porque os preços são bem altos (não que não vale tudo isso, é só que sou pobre mesmo,rs)!
    Senti esse machado entrando na minha perda, que horror, realmente, tenho a impressão que durante a leitura eu ficarei agoniada em vários momentos, e que ele vai me prender nesse livro do começo ao fim 🙂
    Beijos

  18. terça-feira, 25 de novembro de 2014.

    Olá Vitória! Pra ser sincero, acho que todos acham os livros do Stephen caros! Não sei se o motivo é contratual ou por causa da editora que publica seus livros, mas sei que vale a pena ler seus livros! Fico feliz que tenha gostado da resenha! O livro é muito bom!
    Beijo beijo!

  19. terça-feira, 2 de dezembro de 2014.

    Nunca li nada do Stephen, mas todos dizem que os livros dele são muito bons! Pelo que vi é algo diferente do que estou acostumado, puxando não tanto pro infanto-juvenil. Estou com vontade de conhecer mais sobre o autor que todos falam 😛
    Bjs!

  20. quarta-feira, 3 de dezembro de 2014.

    Tenho certeza que vai ser uma aventura maravilhosa sonhar acordado com os livros do Stephen King!

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: