Avaliação: 3/5 Editora: Arqueiro, Cortesia ISBN: 9788580412475 Gênero: Romance Publicação: 2014 Páginas: 288 Skoob

Uma carta de amor, lançado em 1998 nos Estados Unidos, explora, como as outras obras de Sparks, uma história de amor. Nesta aqui, conhecemos Theresa Osborne e Garret, que, apesar de viverem em cidades diferentes, têm muitas coisas em comum e muito a resolver em suas vidas pessoais.

Theresa, apesar de ser bem resolvida profissionalmente e ter um lindo filho de 12 anos, sofre as consequências e a amargura de um casamento que terminou após o marido tê-la traído. Construir um novo e sólido relacionamento está sendo mais difícil do que o esperado, já que nenhum homem parece querer assumir compromisso com a mãe de um adolescente.

Garret possui um negócio estruturado, é bastante reconhecido e elogiado como professor de mergulho e vive bem em uma cidade litorânea da Carolina do Norte. Seu coração, porém, está em pedaços desde que ficou sem a mulher, que morreu jovem e pouco tempo após terem se casado. Para tentar aliviar a dor, a solução encontrada por Garret é escrever cartas sobre sua vida e sua perda e lançá-las ao mar, dentro de garrafas.

É uma dessas cartas que, um dia, Theresa encontra perdida em Cape Cod, onde passava suas férias. Diferente de tudo o que ela já havia lido, a carta mexe emocionalmente com ela, pela sua pureza, poética e por ser tão genuína. Encantada pela forma com que Garret expôs seus sentimentos, ela publica a carta em sua coluna no jornal para que outras pessoas tenham a oportunidade de ler algo tão belo. É assim que ela descobre outras cartas que foram lançadas ao mar e endereçadas à mesma pessoa: Catherine.

Depois de tentar descobrir o que estava por trás daquelas cartas, ela se vê cada vez mais envolvida e curiosa pelo homem que as havia escrito. Quem era ele, que colocava tanto sentimento em palavras? Seguindo seu instinto, ela descobre de onde Garret é e vai atrás dele, como forma de saber mais sobre aquele homem, que tanto havia mexido com ela.

Quando o vê pela primeira vez, percebe que fez o certo ao ir encontrá-lo. Da mesma forma que ela, ele também se encanta e faz o que há muitos anos não fazia: convida-a pra sair. Durante o período em que passam juntos, eles redescobrem sentimentos há muito esquecidos e também percebem que, para seguir em frente, é preciso perdoar e deixar muitas mágoas para trás.

Como em muitos outros livros do autor, Uma carta de amor não traz nada de extraordinário e de diferente. A obra, porém, que é bastante fluída, fala de sentimentos que estão presentes em nosso dia a dia e que, muitas vezes, devem ser resgatados, como a esperança e o perdão.

A história não entrou para as minhas favoritas do autor, mas é bem bonita, destinada àqueles que gostam de histórias de amor e que desejam uma leitura mais leve, que não exija muito. Fala de como o destino pode interferir em nossas vidas e como devemos dar valor às coisas que, à primeira vista parecem pequenas, mas, na verdade, são muito importantes.

Apesar de ter compreendido a intenção do autor, não gostei muito da escolha que ele fez para o final do livro. Acho que poderia ter solucionado a história de uma outra forma. Além disso, como em outros livros, percebi que muito da ação ficou para o final, o que deixou a conclusão da história muito corrida.

Quanto à edição, a Editora Arqueiro fez um trabalho muito bom. Gosto desse novo estilo de capas para os livros do autor. As cores e foto escolhidas combinaram bem com a história. As folhas são amareladas e de boa qualidade e a diagramação também ficou muito boa. Não me lembro de ter encontrado erros durante a leitura.

“Num mundo que eu raramente compreendo, existem ventos do destino que sopram quando menos os esperamos. Às vezes sopram com a fúria de um tufão, às vezes mal tocam nossa face. Mas eles não podem ser negados, trazendo, como muitas vezes fazem, um futuro impossível de ignorar. Você, minha querida, é o vento que eu não previ, o vendaval que soprou com mais força do que jamais imaginei ser possível. Você é o meu destino”

Sobre o autor
Camila Tebet Camila Tebet, 22 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Lê de tudo um pouco, mas os gêneros de que mais gosta são os romances românticos e chick-lit. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

  1. segunda-feira, 28 de abril de 2014.

    Oie =)

    Também não gostei do final que Sparks escolheu para o livro =/ Na verdade eu acho que o livro foi dramático ao extremo, desnecessariamente. Outra coisa, não gostei dos personagens principais, não consegui sentir empatia por eles =/ Para mim, continua válida a boa narrativa do autor, que eu gosto bastante, mas ainda não consegui me conectar com o estilo do autor.

    Beijos,
    Livy
    No Mundo dos Livros

  2. segunda-feira, 28 de abril de 2014.

    É, Livy. Acho que ele escreveu tantos livros parecidos, que as histórias acabaram caindo na mesmice. É difícil se surpreender. São leituras leves, despretensiosas. Mas você já leu "A Última Música"? Foi um dos primeiros que li do autor e é um dos meus livros favoritos. Acho que é o melhor que ele escreveu e que possui temas mais profundos! Recomendo! 🙂

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: