quinta-feira, 25 de maio de 2017

AVALIAÇÃO: 3,5/5 EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA ISBN: 9788551001226 GÊNERO: FICÇÃO CIENTÍFICA PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 352 SKOOB

Matéria escura nos conta a história de um homem que leva uma vida comum e feliz, mas se no passado ele tivesse feito outras escolhas, o seu presente e futuro seriam completamente diferentes. Jason é um físico que desistiu de uma carreira brilhante e tornou-se professor universitário, tudo isso para que pudesse estar ao lado da esposa e do filho que tanto ama. No entanto, durante seus anos de glória foi muito admirado por seus colegas, dono de um intelecto formidável, mas, como dito, ele desistiu de seus sonhos para constituir uma família, o que deixou outros personagens (não tão importantes) abismados e inconformados.

Numa noite em família Jason é convidado por um antigo colega de faculdade para comemorar uma honrosa premiação, convencido pela esposa ele sai para festejar, após conferir de perto o sucesso do amigo, nosso protagonista começa a se questionar de suas escolhas: se tivesse optado por outros caminhos que rumo sua vida teria tomado? No retorno para casa, Jason é raptado por um homem mascarado e levado para um local a esmo. Após ficar inconsciente, ao acordar em um local desconhecido, ele percebe que sua vida não é mais a mesma, seu mundo se perdeu e a atual realidade é totalmente distorcida, ele não tem mais uma esposa e nem um filho, ele sente que tudo está fora do lugar, sua vida não lhe pertence mais, algo está errado e ele necessita descobrir o que está havendo, e rápido.

Neste contexto, nosso protagonista e narrador se desloca por várias realidades alternativas em buscas de respostas e de sua família, são variados acontecimentos e diferentes desfechos. Matéria escura de fato tem um ritmo frenético e uma história insana, o livro teve muitas críticas positivas e elevada classificação. Mas, embora a história em si tenha sido muito bem desenvolvida e os poucos personagens bem construídos, o seu desfecho foi um tanto decepcionante, não manteve o ritmo e o nível da maior parte da narrativa, achei o final insatisfatório, mas não é um final ao certo, já que o desfecho poderia ter seguido outro rumo. Em se tratando de realidades/mundos paralelos, o desfecho deveria ter sido mais trabalhado e desenvolvido pelo o autor, os acontecimentos foram muito rápidas, o que acabou reduzido consideravelmente toda aquela emoção que senti durante a maior parte da leitura.

Enfim, de modo bem resumido, o livro trata-se de uma história de ficção cientifica regada a algumas doses de mistério, gênero que normalmente não leio, esse tipo de leitura apresenta situações improváveis, porém Blake Crouch nos leva a crer que tudo é possível. Em Matéria escura, Jason se vê diante de si mesmo, ele se coloca diante de distintas realidades e acaba sabendo de antemão o fim de cada uma, isso dá a ele o retorno de seus questionamentos e anseios, só não para o leitor. Continue lendo »

quarta-feira, 24 de maio de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA ISBN: 9788551001288 GÊNERO: CONTOS, FANTASIA PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 288 SKOOB

Desde criança, sempre fui fascinada com mitologia, seja a grega ou a romana. Amava (e amo até hoje) ler sobre os deuses e deusas daquela época, mas nunca conheci muito bem a “mitologia nórdica”, até porque ela não é tão difamada como as outras duas. Mesmo assim, agora, depois de grande, comecei a nutrir grande curiosidade sobre essa parte da mitologia, e ao ter a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre ela, pelas palavras de mestre Gaiman, não pude perder a chance.

Mitologia nórdica nos trás algumas histórias sobre os grandes e poderosos deuses nórdicos (aposto que já ouviram falar em Thor ou Loki!), e nos mostra um ponto de vista sobre eles que não conhecemos através dos filmes de super heróis de hoje em dia. Os 15 contos narrados nos contam a trajetória do mundo desde seu surgimento até o Ragnarok – conhecido como o fim de tudo.

Não vou me aprofundar muito nas histórias dos contos, pois não teria como, em poucas palavras, descrever 15 histórias em uma resenha. Mas já adianto que, pra quem curte o tema, ou tem um interesse em saber mais sobre Thor, seus feitos, como ganhou seu martelo, dentre outros, esse é um livro e tanto.

Pra mim, que sempre nutri um interesse em mitologia, esse foi um livro sensacional. É uma pena apenas que seja mais focado nos três grandes (e mais famosos): Odin, conhecido como pai de todos, Thor e Loki, o deus da trapaça. Isso, como o autor nos conta no começo do livro, se deve ao fato de que ao longo dos anos muita história se perdeu sobre esse tema, e o que restam desses mitos são poucas lendas, mais centradas nesses deuses mais famosos. É uma pena mesmo, pois ao terminar de ler fiquei com uma curiosidade imensa em outros personagens como os irmãos Freya e Frey, e Beldor, o belo, filho preferido de Odin.  Continue lendo »

terça-feira, 23 de maio de 2017

AVALIAÇÃO: 4,5/5 EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA ISBN: 9788551000304 GÊNERO: CONTOS PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 304 SKOOB

Contos e perturbações

O nome do título é proposital: Alerta de risco. O próprio Neil Gaiman fez o capítulo introdutório para mistificar ainda mais o aviso, pois os contos reunidos nesse livro podem disparar gatilhos na memória e desencadear lembranças traumáticas.

Eu amo o autor Neil Gaiman. “O oceano no fim do caminho” foi meu primeiro contato com sua literatura: é um livro que, a princípio, eu não sabia se o protagonista estava contando uma história ou vivendo aquela história (recomendo fortemente!). Leio, aos poucos, o volume 1 de “Sandman“, que tem um acabamento lindíssimo, porém é muito grande pra andar por aí. Já li os dois livros de contos (“Coisas Frágeis vol. I e vol. II“) que antecedem essa nova coletânea. E o que posso dizer é que Alerta de risco não deixou a desejar.

Vamos pelo início.

A introdução, como já comentei, é feita pelo autor. Ele começa quase como se estivesse se justificando pelo nome do livro, mas termina com um “eu avisei”. Eu nem sempre gosto de introduções, mas essa fez com o que eu me sentisse próxima do autor com informações que ele passa sobre o por quê do conto ou como/quando fez e acaba esbarrando em memórias sentimentais de sua vida.

Então vem mais história. São vinte e quatro contos que Gaiman escreveu durante a vida. Alguns fazem parte de outros livros ou foram disponibilizados gratuitamente, alguns são de personagens que já amamos, como Sherlock Holmes e Doctor Who, mas todos têm realmente uma pontinha de inquietação, seja no começo, mas principalmente no fim. Continue lendo »

segunda-feira, 22 de maio de 2017

AVALIAÇÃO: 4/5
EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA
ISBN: 9788584390571
GÊNERO: INFANTOJUVENIL
PUBLICAÇÃO: 2016
PÁGINAS: 288
SKOOB

O livro Pax é a estreia no Brasil da premiadíssima autora Sara Pennypacker. A edição é tão linda que é impossível não querer ler só de folhear as páginas. Mas, um aviso: Pax tem histórias tensas e marcantes. Sério. Muita gente chora nas primeiras páginas.

Peter é um garoto de 12 anos que tem como amigo inseparável a raposa Pax, que está com ele há aproximadamente sete anos. Logo no início da história ambos sofrem com a perda e a separação, que são o pano de fundo dessa trama. O pai de Peter irá para a guerra e não há como levar Pax para a casa do avô, onde Peter irá morar agora. Então, ele dirige até a entrada de uma floresta para abandonar Pax por lá. 

Esse início é tenso e, para mim, muito emotivo. Mesmo a narrativa sendo em terceira pessoa é possível sentir as mesmas sensações da raposa Pax, que sabe que algo está errado ao sentir os tremores e lágrimas do seu humano Peter e o humor sempre exaltado do pai dele.

Ao chegar na casa do avô, Peter entende que não foi leal com Pax e decide ir buscá-lo, pois o certo é que eles fiquem juntos. O que os separam agora são aproximadamente quinhentos quilômetros e a guerra que se estende pela região. Em outras palavras, o início de uma grande aventura.

É aqui que o livro muitas vezes dá uma empacada, Peter é um garoto que precisa se descobrir, que tem receio de ser ‘estourado’ como os homens da sua família e ainda sofre silenciosamente a perda de sua mãe. São muitos conflitos para uma jornada de resgate e absolvição de culpa. Mas praticamente todos os itens são tratados na evolução da história.

Por outro lado, Pax está ansioso pela volta de seu humano e não se distancia do local onde foi deixado para que Peter possa reencontrá-lo. Até que encontra outras raposas e passa a viver sua própria aventura, porém ainda está voltado a encontrar o seu dono. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: ROCCO JOVENS LEITORES, CORTESIA ISBN: 9788579803291 GÊNERO: ROMANCE, JOVEM ADULTO PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 288 SKOOB

Você acha que boas ações podem mudar o mundo?

É isso que a protagonista Nina, de apenas 13 anos, quer fazer. Isso mesmo, ela não quer achar, só pensar que sim ou não: ela criou a convicção de que se ela se levantar e começar a fazer algo as coisas à sua volta irão mudar. E são coisas simples, são pequenas boas ações.

Quando começa o verão e, consequentemente, as férias escolares, Nina se vê sozinha e perdida. Seus pais vivem para o trabalho, seu irmão está distante, Jorie e Eli, seus amigos de infância, estão agindo de forma muito estranha, e, para completar, a morte de sua avó ainda traz um sentimento doloroso em sua alma.

Toda essa confusão está pairando sobre a cabeça de Nina quando ela repara que sua vizinha, a senhora Chung, está impossibilitada de realizar suas tarefas no jardim de sua casa e triste pois seu falecido esposo teria plantado os cravos. Nina não pede permissão, mas age de forma oculta, plantando os cravos sem que ninguém a veja. Essa ação a deixa tão bem que ela decide que o restante do verão, 65 dias, terá uma boa ação por dia! E tudo de forma anônima.

Não há como não se envolver com as dificuldades que Nina enfrenta para ‘salvar’ esse mundo: seu bairro de 8 casas, sua família, seus amigos e com isso salvar a si mesma. Vocês entenderam certo. Eu disse dificuldades. Afinal, não é fácil salvar o mundo.

Os dias de Nina começam a ficar confusos e turbulentos. Suas aulas de desenho no curso de verão a fazem questionar seus preceitos, como ela vê os outros e como ela se vê. Afinal, ela está se descobrindo e criando lindos valores sobre amizade e companheirismo, o que com certeza fica difícil quando a melhor amiga quer ir no baile com o garoto que Nina gosta. Continue lendo »


Avaliação: 4/5 Editora: Companhia das Letras, Cortesia ISBN: 9788535928518 Gênero: Ensaio, Não Ficção Publicação: 2017 Páginas: 96 Skoob

Que Chimamanda Ngozi Adichie é incrível vocês já leram aqui neste blog, o que ainda não foi dito é que ela realmente não para de trazer discussões interessantes para nossa sociedade. Recentemente, ela lançou Para educar crianças feministas, que segue o mesmo formato de Sejamos todos feministas, também publicado pela Companhia das Letras. São pequenos livrinhos, que ampliam a discussão sobre o assunto, que vem ganhando cada vez mais destaque.

O novo livro é uma transcrição de uma carta que Chimamanda escreveu para uma amiga que a questionou sobre as melhores maneiras de criar sua filha sob os preceitos do feminismo. Embora haja muito preconceito com o termo, o que ele de fato prega é a “igualdade” entre homens e mulheres. Dessa forma, é essencial que, desde pequenos, meninos e meninas saibam o que significa e fujam das diferenças que muitas vezes são impostas pela sociedade. Assim, tornam-se adultos mais conscientes e menos propensos aos ideais machistas e patriarcais.

Então, seguindo o pedido da amiga, F lista uma série de dicas para que a menina torne-se feminista desde cedo. A autora escreveu as dicas antes de se tornar mãe e, na introdução do livro, fala que tentará aplicar tudo isso na criação de sua filha também, mas sabe que não será fácil. Entre os conselhos dados estão “Ensine a ela que ‘papéis de gênero’ são totalmente absurdos”, “Ensine-a a questionar a linguagem”, “Dê a ela um senso de identidade” e “Ensine-lhe sobre a diferença”.

Continue lendo »

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Avaliação: 4/5
Editora: Bertrand Brasil, Cortesia
ISBN: 9788528620726
Gênero: Biografia, Não Ficção Publicação: 2017
Páginas: 240
Skoob

 

A primeira coisa que me chamou a atenção em Charlotte, de David Goenkinos, foi a capa, uma pintura intensa da artista Charlotte Salomon. Eu não conhecia nada a respeito de sua vida e de sua obra, mas fiquei curiosa para saber mais a respeito e, agora, depois de finalizada a leitura, fico feliz de ter feito isso. Foenkinos conta a história da pintora de uma forma completamente diferente. Com uma estética de prosa poética, utilizando uma frase por linha, ele traz ainda mais profundidade para a história que se propõe a contar.

Charlotte é um livro que apresenta a história dessa artista que, infelizmente, passou por momentos muito difíceis em sua vida, que terminou no campo de concentração de Auschwitz. O livro começa contando a história de como ela recebeu esse nome. Em homenagem a uma tia que, por conta da depressão, suicidou-se. O autor, então, passa a narrar as dificuldades da menina, que mais tarde também sofreu com o suicídio da mãe.

Já mais velha, Charlotte se viu obcecada pela madrasta Paula, uma grande cantora da época. Foi por meio de Paula que a jovem conheceu Alfred, por quem se apaixonou completamente. Entretanto, Alfred não dava indícios de que gostaria de manter um relacionamento sério, e seus encontros eram quase sempre às escondidas. Em meio a isso, os ideais de Hitler ganhavam força na Alemanha e a Segunda Guerra Mundial se aproximava. Charlotte e sua família eram judeus e tiveram que se separar para que pudessem se salvar. A garota, a contragosto, foi se refugiar na França, onde estavam os avós.

Continue lendo »


Avaliação: 4/5
Editora: Fontanar, Cortesia
ISBN: 9788584390588
Gênero: Cartas, Não Ficção
Publicação: 2017
Páginas: 248
Skoob

O livro Querido mundo, como vai você?, escrito pelo pequeno Toby Little, de nove anos, chegou em uma hora boa. Eu estava enfrentando uma bela ressaca literária quando comecei a ler e logo me encantei pelo projeto. Em 2013, aos cinco anos, Toby descobriu que poderia enviar uma carta para um país diferente do seu. Então, ele perguntou para a mãe se poderia escrever para todos os países do mundo. Sua mãe, então, embarcou na jornada junto com o garoto e começou a busca por diferentes correspondentes ao redor do planeta.

As primeiras cartas foram endereçadas à França, Austrália e Estados Unidos, sempre com a ajuda de amigos, que auxiliavam na busca pelos correspondentes. Quatro meses depois de iniciar seu projeto, Toby atingiu seu objetivo. Por mais que tenha se correspondido com todos os países, ele não parou mais de escrever e está sempre aprendendo coisas novas. No livro publicado pela Fontanar, há um compilado de 150 cartas, em que podemos descobrir, junto com o garoto, toda a variedade de nosso mundo.

O livro é dividido por continentes e traz a transcrição das cartas escritas por Toby e as respostas de seus correspondentes. Traz também algumas imagens referentes às cartas, situando o leitor ainda mais no projeto. O mais legal é que ele escreveu para pessoas e lugares muito diferentes e, com isso, é possível aprender uma porção de coisas a respeito de novas culturas e profissões. Toby se correspondeu com crianças ao redor de todo mundo e até mesmo cientistas e especialistas nas mais diversas áreas. Além disso, há uma parte reservada apenas para situações especiais, como as cartas enviadas ao Papa Francisco, palácio de Buckingham e a Nelson Mandela.

É muito legal acompanhar a trajetória de Toby através das páginas. A cada carta lida eu ficava com ainda mais curiosidade de prosseguir na leitura. Claro que a primeira que procurei foi a carta endereçada ao Brasil, em que ele se correspondeu com uma moça que mora em São Paulo e falou um pouco da cultura de nosso país. Também é incrível ler a respeito dos outros lugares, realmente é possível se sentir parte da aventura de Toby. Continue lendo »


Sabe quando você acha que o mês vai ser tranquilo e vai conseguir dar conta de ouvir todas as músicas lançadas? Mero engano. Em abril, cada semana era uma expectativa para o que iria ser lançado já se preparando para a canção seguinte. De todas, acabei escolhendo algumas para marcar o que foi lançado. Liga o play e se joga!

Despacito – Luis Fonsi feat. Daddy Yankee

Uma música que tem ganhado muito espaço nos últimos tempos é Despacito. A canção foi lançada no início do ano e o vídeo no Youtube já conta com mais de 1 bilhão de visualizações. Para alavancar o trabalho de Luis Fonsi e Daddy Yanke fora da América Latina, Justin Bieber foi convocado para um remix que também já é sucesso.

Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: ARQUEIRO, CORTESIA ISBN: 9788580413120 GÊNERO: NEW ADULT, ROMANCE PUBLICAÇÃO: 2014 PÁGINAS: 192 SKOOB

Na empolgação com o término do segundo livro e tendo o terceiro na minha estante, decidi emendar a leitura de  “Tentação sem limites” com Amor sem Limites. Por mais que o segundo livro tenha tirado um pouco do encanto que criei pela atmosfera apresentada por Abbi Glines, ainda assim pensei que possivelmente o terceiro livro salvaria um pouco isso. Havia uma tensão e uma certa expectativa pelo que viria.

Depois de tanto sofrerem para ficarem ao lado um do outro, Blaire e Rush podem, enfim, desfrutar da vida que tanto sonhavam. Prestes a ser casarem e terem o primeiro filho, Blaire e Rush querem a felicidade plena mais do que tudo. No entanto, não é o que a vida quer para ambos e os dois terão que enfrentar mais alguns obstáculos se querem realmente ficar juntos.

Da mesma maneira que os outros volumes, Amor sem limites possui uma leitura rápida, fluida e que envolve o leitor. Abbi traz uma linguagem tranquila e que cria uma certa tensão. No entanto, são os personagens e suas atitudes que me fizeram torcer o nariz algumas vezes. Conforme já havia mencionado na resenha do segundo livro, quando se lê uma trilogia você espera que os personagens amadureçam com o tempo. No entanto, não é o que acontece aqui. Algumas atitudes dos protagonistas já haviam me decepcionado um pouco no segundo livro e com esse só vieram a confirmar. É como se eles não conseguissem tirar aprendizado dos seus erros e fossem lá e fizessem tudo igual novamente. Além disso, a sensação que tive foi a de que sempre retornávamos para o mesmo ponto, como se a história não desenvolvesse da maneira que deveria. Continue lendo »